Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender a soberania nacional e apontou o governo ilegítimo de Michel Temer como responsável pela perda de prestígio internacional do Brasil. "Esse país era mais popular do que o Neymar está hoje. Eles querem que o Brasil volte a ser uma republiqueta de banana", disse nesta sexta-feira (4), durante a posse simbólica dos presidentes dos diretórios zonais do PT de São Paulo.

"A solução para os problemas desse país só vai acontecer quando a gente tiver um governante com credibilidade e eles sabem que nós somos capazes e que vamos voltar. E quando falo que vamos voltar não sou eu, são vocês", afirmou Lula, a uma plateia de moradores da periferia de São Paulo. 

O ex-presidente enumerou os cortes promovidos pelo atual governo e relembrou os índices alcançados durante os governos petistas. "Eles são tão ignorantes que estão cortando o FIES, porque acham que educação é gasto, quando é investimento. Pra nós, filho de pedreiro não precisa ser pedreiro, pode ser engenheiro. E conseguimos provar isso no nosso governo", recordou Lula, ao destacar a geração de 22 milhões de empregos entre 2002 e 2014.

Para o ex-presidente, a perseguição a que vem sendo submetido também é responsável pelo aprofundamento da crise econômica. "Se eles querem tentar evitar minha candidatura, tudo bem. Mas não podem para me prejudicar, prejudicar mais de 200 milhões de brasileiros", alertou. 

Presente no evento, a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que os ataques à figura de Lula tem resultado em um efeito inverso. "Hoje é um dia muito feliz para nós, essa pesquisa lavou nossa alma", destacou Gleisi, em referência a pesquisa Vox Populi, divulgada nesta sexta-feira, em que Lula registrada 53% das intenções de voto. 

O ex-presidente Lula passou o dia em agenda pela Zona Sul de SP. Visitou moradores, se reuniu com movimentos culturais da região e visitou uma paróquia no Jardim Ângela.
 

Voltar para o topo