Foto: Ricardo Stuckert

Em reunião com a bancada de senadores e deputados federais nesta quarta-feira (13), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a afirmar que não abrirá mão de se defender da perseguição jurídica e política a qual vendo sendo submetido. Na primeira fala após o agendamento da data em que será julgado pelo TRF4, Lula pediu que pessoas leiam o processo, as argumentações da acusação e da defesa, e tirem suas próprias conclusões.

"Se tem uma coisa que não abro mão é da minha honra. Tenho muito caráter e isso não se vende em supermercado", declarou. "Leiam a sentença e depois leiam a decisão sobre nosso recurso. E vocês vão perceber que tem algo além do jurídico nesse processo".

Para Lula, o objetivo claro é de "tentar evitar que o PT volte ao governo". "Nós aqui no Brasil ainda estamos um pouco anestesiados. Só tem um jeito e é levantar a cabeça, esticar o peito e ter orgulho pra gente vencer essa batalha", avaliou.

Críticas à Lava Jato

O ex-presidente ressaltou que o PT segue a favor de garantir as investigações sobre corrupção, mas atacou o modus operandi da Lava Jato - que favorece delatores e prejudica a economia aumentando o desemprego. "Quanto eles causaram de prejuízo a esse país por falta de investimentos?  Só da Petrobras 197 mil trabalhadores foram dispensados no Rio de Janeiro. Qual empresário delator tá passando fome? Agora vai ver quantos trabalhadores dessas empresas estão", ponderou.

Voltar para o topo