Lula e Dilma na inauguração popular da transposição do rio São Francisco, em Monteiro (PB). Foto: Ricardo Stuckert

As águas da mudança chegaram ao semiárido nordestino e a transposição do rio São Francisco, que vai impactar diretamente a vida de 12 milhões de sertanejos, já é realidade.

Durante a inauguração popular da transposição do Velho Chico, no último fim de semana, em Monteiro (PB), o ex-presidente Lula, acompanhado da presidenta eleita, Dilma Rousseff, lembrou quem são os responsáveis pela execução da obra de transposição, que estava no papel desde o Brasil Império.

"Tenho muito orgulho de ter tido a coragem de iniciar esse projeto. Se eles têm vergonha, nós não temos. Dilma e eu, Ricardo [Coutinho - governador da PB] e muitos outros governadores e vocês. Nós temos orgulho de dizer que somos pai, mãe, irmão, tio e sobrinho da transposição das águas do São Francisco", lembrou Lula. 

Lula teve a coragem de começar a transposição do Rio São Francisco, um dos maiores empreendimentos de infraestrutura hídrica do planeta, e Dilma Rousseff continuou as obras e agora o sertão começa a virar mar.

Leia também: Não é só transposição: cisternas garantem água a 4,5 milhões de sertanejos

Sobre a política de cortes do atual governo e as graves ameaças à aposentadoria, Lula pede que o povo não seja prejudicado. "Não prejudiquem o povo brasileiro e a aposentadoria. Não mexam na legislação trabalhista para prejudicar o povo". 

Lula afirma que os que governam para os ricos não sabem o sofrimento do povo trabalhador e do povo humilde. "Quero que o povo nordestino seja tratado em igualdade de condições. Aqui tem que ter universidade, indústria, escola técnica, mestres e doutores. Tem que ter criança de barriga cheia. Se isso é o mal e eles não aceitam, se prepararem. Não sei quanto tempo de vida eu tenho, mas ainda que eu tenha um minuto, vou dedicá-lo a levantar a moral do povo pobre deste país", promete o ex-presidente. 

Assista: 

Voltar para o topo