Foto: Ricardo Stuckert

A caravana Lula Pelo Brasil chegou na tarde deste domingo (29) ao município de Cordisburgo, em Minas Gerais, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula visitou o museu Casa Guimarães Rosa e participou de um ato cultural no centro da cidade.

Ao lado da presidenta Dilma Rousseff, da presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffman e do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, Lula denunciou o golpe parlamentar no país e ressaltou que o atual governo não tem competência para governar, por isso está vendendo o Brasil. "Desmontaram a indústria naval que montamos para diminuir nossa dívida com exportações. Destinamos royalties do Pré-Sal para mudar a educação do país e agora eles venderam para empresas estrangeiras. Eles não vieram pra melhorar. Quem quer melhorar não rouba o poder do outro através de um golpe", disse o ex-presidente.

Lula lembrou ainda das conquistas sociais durante os governos do PT, como a criação de 22 milhões de empregos com carteira assinada, e comentou que a oportunidade dada à população mais pobre irritou a elite brasileira. "Quando o filho do pobre começou a fazer faculdade e os pobres viajaram de avião, parece que isso incomodou parte da sociedade brasileira".

O ex-presidente reforçou que somente a derrota nas urnas é capaz de evitar que ele volte a ser presidente da República outra vez. "E vai ser muito difícil me derrotar", completou. Para Lula, tentaram demonizar o PT e a presidenta Dilma e agora querem destruí-lo. "Mas já existem milhões de pessoas que pensam como o Lula. Nós precisamos ver esse país crescer novamente. Vamos voltar para melhorar a vida do povo brasileiro", finalizou. 

Caravana

Nesta segunda-feira (30), último dia da caravana Lula Por Minas Gerais, o ex-presidente estará em Belo Horizonte, onde Lula participa do ato de encerramento na praça da Liberdade. 

Veja como foi o ato na cidade de Cordisburgo: 

Voltar para o topo