27 de outubro de 2018

Prenderam Lula injustamente para calar sua voz após inventarem mentiras e um processo irregular e internacionalmente questionado. Tiraram, à força, o candidato preferido do povo brasileiro das eleições. Acharam que, assim, nos anulariam. Erraram.

Quando Lula escalou seu melhor ministro, Fernando Haddad, para lutar pelo Brasil e pela democracia, continuaram a atacar. Rebaixaram-se a ponto de cometer crime e, com suas fake news, transformaram em escândalo internacional as eleições de 2018. Acharam que, assim, enganariam o povo. Erraram de novo.

Criaram um clima de vitória antecipada e acharam, que assim, desistiríamos. Erraram ainda mais uma vez.

Daqui e dali, uma onda de amor foi tomando força e está inundando o País contra o ódio e o fascismo. O fenômeno do #ViraVoto é real e só cresce! Basta olhar nas pesquisas de intenção de voto para ver que, graças ao trabalho grandioso de diálogo, aproximação e escuta de homens e mulheres de todo o Brasil, Haddad cresce a olhos vistos.

O que estaria, neste momento, fazendo Lula, que é mantido há mais de seis meses como preso político em Curitiba? Exatamente o que você pensou: Lula também está virando votos!

Em coluna, a revista Época noticiou: “Diferentemente da maioria da corporação bolsonarista, carcereiros de Lula vão votar no PT de olhos fechados”.

Acontece que a maior parte da Polícia Federal apoia o capitão reformado que foge do debate, pois tem medo de encarar o povo. “Restou, no entanto, um pequeno grupo da corporação que simpatiza com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – aqueles que o conheceram desde abril, quando Lula foi parar atrás das grandes do prédio da PF, em Curitiba.”

Conta o artigo que Lula sempre evitou falar de política com os agentes, mas o assunto tornou-se inevitável nos últimos tempos, assim como em todas as rodas de conversa pelo país. “Quando o assunto surge, o ex-presidente não se furta em dizer que cumpriu sua missão e deixou seu legado para o país”.

Sempre de bom humor, com seu calção do Corinthians ou moletom, nos dias mais frios, Lula faz brincadeiras com todos e, em suas conversas, conta das dezenas de livro que já leu desde que se tornou o principal preso político desde a abertura democrática. “Policiais contam que, após a leitura, o petista costuma relatar a eles um resumo das obras. Quase sempre, faz um paralelo com o que o Brasil vive hoje. As referências são eruditas”.

A gravidade do momento que o país atravessa é preocupante. Daí a necessidade de, unidos, combatermos o ódio e o fascismo através do diálogo e da aproximação.

Essa é a base do movimento #ViraVoto! Não é hora de calarmos nossa voz, de ter medo ou de nos conformarmos. Até Lula já aderiu! 

Temos poucos horas até o fechamento das urnas, mas a vitória é tão nossa quanto o Brasil é de todas e todos.