26 de julho de 2018
WATERLOO, IA - JANUARY 31: Democratic presidential candidate Sen. Bernie Sanders (I-VT) speaks to campaign volunteers during an event at Five Sullivan Brothers Convention Center January 31, 2016 in Waterloo, Iowa. Sanders continues to seek support for the Democratic nomination prior to the Iowa caucus on February 1. Alex Wong/Getty Images/AFP

Um grupo de 29 congressistas americanos, incluindo o senador Bernie Sanders, que foi pré-candidato à presidência dos Estados Unidos em 2016, vai enviar nesta quinta-feira (26) ao governo brasileiro uma carta em que denuncia a prisão política de Lula, com base em “acusações não comprovadas” em um julgamento “altamente questionável e politizado”. Na carta, Lula é qualificado como “o principal candidato presidencial” para as eleições de outubro. Os parlamentares defendem ele responda ao processo em liberdade, e afirmam que “a luta contra a corrupção não deve ser usada para justificar a perseguição de opositores políticos ou negar-lhes o direito de participar livremente das eleições”. A carta também aponta que membros das “forças de segurança do Estado podem estar implicados” no assassinato de Marielle Franco.

Para Sanders e os deputados signatários, o governo Temer é de “extrema direita” e foi instalado em meio à “intensificação do ataque à democracia e aos direitos humanos no Brasil”. O documento critica duramente o corte de gastos sociais do governo golpista e a liquidação das das leis trabalhistas.

A carta será endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sergio Amaral.

Originalmente postado na Folha de S.Paulo.