27 de setembro de 2021

Em mil dias de governo, Jair Bolsonaro mentiu 3.989 vezes. É o que mostra levantamento realizado pela agência de checagem Aos Fatos, que aponta ainda que 62,5% das mentiras e alegações distorcidas proferidas por Bolsonaro são repetidas. Ou seja: mentir repetidamente é a grande estratégia de governo de Bolsonaro.

Bolsonaro mente em diversos meios de comunicação: suas lives semanais foram espaço para 1.180 mentiras (29,6% do total), enquanto entrevistas foram palco para 1.099 inverdades do presidente (27,5%). Discursos trouxeram 17,9% das falácias e encontros com apoiadores tiveram 15,6% das mentiras checadas pelo Aos Fatos.

O presidente que governa por meio de fake news (são 3,99 mentiras por dia pela contagem da agência de checagens) mente sobre tudo, mas concentra quase metade (48,6%) de suas inverdades sobre o coronavírus. São mentiras que matam, e que levaram 594 mil famílias brasileiras a chorarem a morte de seus entes queridos. São declarações falsas contra máscaras, contra isolamento social e propagandas a favor da cloroquina e do kit covid, medicamento sem eficácia comprovada.

Economia é o segundo principal tema das mentiras de Bolsonaro. Em meio ao caos econômico, inflação descontrolada e desemprego galopante, o presidente tenta inflar resultados do governo e distorcer informações (afirmando, por exemplo, que o saldo de emprego criados em 2020 é maior do que aquele de 2019, o que é comprovadamente uma mentira). O terceiro tema são as eleições, com 249 alegações falsas na cruzada contra as urnas eletrônicas e a transparência eleitoral. Outros temas favoritos das mentiras de Bolsonaro são o meio ambiente e corrupção.

A cada 3 mentiras faladas por Bolsonaro, 2 são repetidas, seguindo a lógica de que uma mentira repetida mil vezes viraria verdade. Ao longo dos mil dias de governo, 5 mentiras foram repetidas 415 vezes pelo presidente, correspondendo a 10,5% do total de fake news espalhadas por Bolsonaro. A mentira mais repetida por Bolsonaro (121 vezes) é a de que não há casos de corrupção ou desvios na sua gestão. A CPI da Covid-19 apura esquema de compra superfaturada da Covaxin e irregularidades na aquisição das vacinas. Isso sem contar os esquemas envolvendo o ex-ministro do meio ambiente Ricardo Salles, o ex-secretário de comunicação Fabio Wajngarten e Ciro Nogueira, atual ministro chefe da Casa Civil, só para citar alguns nomes.

As outras quatro mentiras mais repetidas são: “STF impediu o governo federal de agir contra a pandemia” (repetida 99 vezes); “sempre me preocupei com o coronavírus e com a pandemia na mesma proporção” (repetida 78 vezes); “me curei da Covid com hidroxicloroquina” (70 vezes) e “o Brasil é um dos 4 países que mais vacinam no mundo” (52 vezes).

Vale lembrar que essas são apenas as mentiras comprovadamente proferidas por Bolsonaro. O balanço não inclui as fake news fabricadas e disseminadas por seus apoiadores e seus filhos na internet. A estratégia de repetir falsidades é muito usada nas redes, com fake news requentadas sempre sendo veiculadas repetidamente.