28 de outubro de 2021
Ricardo Stuckert

Em entrevista na manhã desta quinta-feira (28) para rádio Jovem Pan de Sorocaba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que embora a CPI da Covid não tenha colocado a palavra, por implicações jurídicas, é sabido que o presidente Bolsonaro se comportou como um verdadeiro genocida no combate a pandemia no país. “Pra ele, sacos pretos carregando corpos não significavam nada. Essa é a verdade”, disse Lula.

Lula afirmou que no governo Bolsonaro, lamentavelmente, a saúde é tratada com muito desprezo. “Sinceramente, eu nunca imaginei que esse país pudesse ter alguém na presidência que desrespeitasse a ciência, como Bolsonaro desrespeitou, que desrespeitasse a medicina, como Bolsonaro desrespeitou; que desrespeitasse a lógica do humanismo”. O ex-presidente lembrou que, durante uma pandemia que já matou mais de 600 mil pessoas, Bolsonaro passou o tempo inteiro debochando, desacreditando, avacalhando, e dizendo para as pessoas não usarem máscara e dizendo que as pessoas poderiam fazer aglomeração, sendo “contra tudo e contra todos”.

“Embora a CPI não tenha colocado no relatório final a palavra genocida, porque tem implicações jurídicas…a verdade é que Bolsonaro se comportou como um genocida. Ele não teve dó nem piedade de nenhuma das pessoas que morreu”, disse Lula, ressaltando que Bolsonaro nunca foi fazer uma visita num hospital, nem em lugar nenhum das pessoas que estavam morrendo. “Ou seja, ver aquelas pessoas serem enterradas num saco preto, sem puder ter a participação dos parentes…Para ele, aquilo não dizia nada, porque ser humano, para ele, não vale nada. O que vale, para ele, são os milicianos dele, é no que ele acredita, não é o povo brasileiro”.

O ex-presidente lembrou ainda que Bolsonaro colocou no comando do Ministério da Saúde, um ministro que não entendia nada do assunto, como o general Pazuello, que não sabia do que estava falando e mentiu o tempo inteiro. “A saúde está totalmente rifada”, concluiu.

Lula lembrou também que o SUS foi atacado por muito tempo, mas que os funcionários públicos do SUS, muitas vezes mal remunerados, se dedicam 24 horas a salvar vidas em condições desumanas, mas que não receberam um gesto sequer de Bolsonaro. “ Você ter um presidente receitando remédio que não serve para nada, tentando fazer trambicagem com vacina”, disse, lembrando que no governo se montou uma quadrilha de comprar vacina.  

Tratamento do câncer é obrigação do Estado

Questionado sobre o tratamento do câncer no Brasil, Lula disse que é uma obrigação do Estado brasileiro fazer com que as pessoas tenham acesso ao tratamento de câncer. “Eu acho que nós precisamos cuidar não apenas de fazer com que o tratamento ao câncer se transforme numa coisa mais popular, mas também fazer com que todas as outras doenças possam ter os especialistas com acesso da população”, afirmou

Veja outras declarações de Lula para a Jovem Pan FM Sorocaba

Assista aqui à entrevista completa: