25 de julho de 2018

Conhecido por ser um dos maiores nomes da música popular brasileira, Chico Buarque tem uma trajetória como artista e pessoa sempre pautada pela defesa da democracia.  Autoexilou-se na Itália em 1969, devido à crescente repressão do regime militar do Brasil nos chamados “anos de chumbo”, tornando-se, ao retornar, em 1970, um dos artistas mais ativos na crítica política e na luta pela democratização no país.

Outras duas canções retratando o momento de repressão no país: “Cálice”, sonoramente semelhante à “cale-se”, trazia críticas à censura do regime; e “Roda Viva” canção em que pedia voz para o povo – “A gente quer ter voz ativa / No nosso destino mandar /  Mas eis que chega a roda-viva / E carrega o destino pra lá”.

Em 1984 participou ativamente da campanha pelas “Diretas Já” para presidente da República e sempre apoiou as candidaturas de Lula. Atualmente defende que Lula seja libertado da prisão.

Chico irá cantar pela liberdade de Lula Livre no dia 28 de julho, no Festival Lula Livre, que acontecerá nos Arcas da Lapa, no Rio de Janeiro.