30 de março de 2017

Muito se fala das eleições presidenciais de 2018. Fica de lado, porém, uma outra disputa que é tão importante quanto a competição pelo posto mais alto do poder executivo: a pelas cadeiras do Congresso. Em conversa com a Central dos Movimentos Populares, entidade que representa diversos grupos de luta e ação política pelo Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu aos presentes que concentrem esforços também nas eleições proporcionais. Para que um eventual governo progressista possa interromper os retrocessos iniciados na gestão atual, é preciso “eleger a maioria no Senado e na Câmara”. “Os melhores nomes do PT têm que ser candidatos a deputado federal”, afirmou o ex-presidente.

O propósito da reunião foi discutir as principais dificuldades enfrentadas pelos movimentos que lutam por moradia, educação, saúde, direitos humanos, direitos das mulheres e outros. De acordo com a CMP, a prioridade do golpe tem sido retirar direitos dos trabalhadores e das minorias vulneráveis. Para resistir a esse ataque é necessário unificar as pautas dos diversos movimentos sociais, afirmaram os integrantes da Central. Lula ouviu os relatos com preocupação e alertou: “O quadro é extremamente conservador no Brasil e no mundo. A direita se assenhorou das conquistas da classe trabalhadora”. Mas, para o ex-presidente, há motivos para ser otimista, mas é preciso focar os esforços no trabalho de base: “Em política, toda vez que você deixa de conversar com as pessoas, você perde”.

Veja a galeria de fotos da reunião clicando no link: https://goo.gl/photos/Yt6CD3Nrj4DkQcYh9