15 de março de 2022

Na última segunda (14), iniciamos um mutirão de vacinação contra fake news, chamando as pessoas a defenderem a democracia denunciando as mentiras que estão sendo espalhadas nas redes e nas ruas, como estratégia de Bolsonaro (que que mente sete vezes por dia.) e seus apoiadores. Esta vacina foi produzida a partir de denúncias que recebemos por meio de nossos grupos de whatsapp e pelo site lula.com.br/verdadenarede.

O bolsonarismo vem transformando o púlpito da Paróquia São Roque, em Laranjal Paulista (SP), em um local de disseminação de fake news. O padre Edison Geraldo Bovo, eleitor confesso do atual presidente, tem usado suas missas para apresentar versões falsas da realidade.

Segundo a Folha de S. Paulo, em 6 de março, durante a missa da Quaresma, ele chegou a afirmar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comprou o STF (Supremo Tribunal Federal), atacou outros políticos e divulgou fake news sobre as urnas eletrônicas – tudo dentro do pacote de mentiras que as milícias digitais bolsonaristas têm divulgado nas redes sociais.

O bispo de Mogi das Cruzes, Dom Pedro Stringhini, natural de Laranjal Paulista, lamenta a posição do pároco. “Ele comete pelo menos três equívocos: falar a coisa errada, na hora errada e no local errado. É pura alucinação”, diz.

Arquidiocese adverte o padre

Em 11 de março, a Arquidiocese de Sant’Anna de Botucatu emitiu comunicado oficial, assinado pelo Vigário Geral, o Pe. José Francisco Antunes, e pelo Chanceler do Arcebispado, o Côn. Joinville Antônio de Arruda, criticando a atitude do padre Edison Geraldo Bovo e solicitando que ele se retratasse das mentiras emitidas no púlpito:

“A Arquidiocese se vê na necessidade de declarar publicamente que não aprova essa atitude do Revmo. Pe. Edison Geraldo Bovo, espera uma sua retratação pública a respeito do erro cometido, acreditando, que ele possa, desse modo, com a devida serenidade, dar continuidade aos seus trabalhos pastorais e de cuidado aos mais necessitados, em especial aos dependentes químicos, como vem fazendo desde há alguns anos, com grande dedicação”

A declaração manifesta o desconforto pelas declarações do pároco em vídeos divulgados pela internet. O vídeo com trechos da missa tem sido compartilhado em grupos de WhatsApp e nas redes sociais e desperta a indignação de muita gente. O problema, obviamente, não é a opinião ou a posição política de Edison Geraldo Bovo, mas o uso de fake news em série para defendê-las.

Lula inocente

Em primeiro lugar, o ex-presidente Lula foi inocentado dos 24 processos que corriam contra ele na justiça e hoje é uma pessoa sob qual não pesa nenhuma acusação.

A mentira de que ele teria “comprado o STF”, além de delirante, também não para em pé. Lula foi inocentado em decisões colegiadas do STF, ou seja pela decisão conjunta de diferentes ministros. Sua inocência também foi confirmada em outras cortes, por meio de decisões do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), do Tribunal Regional Federal da 3ª. Região (TRF-3), da 12ª. Vara da Justiça Federal de Brasília, da 10ª. Vara da Justiça Federal de Brasília, da 15ª. Vara Federal Criminal de Brasília, da 6ª. Vara Federal Criminal de São Paulo, da 7ª. Vara Federal Criminal de São Paulo, da 6ª. Vara Federal Criminal de Santos, da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo. Além disso alguns casos foram arquivados pela Operação Lava-Jato, pela Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Os detalhes de cada acusação podem ser vistos aqui.

Urnas eletrônicas

Sobre as urnas eletrônicas, o padre utiliza argumentação idêntica à de Jair Bolsonaro, O argumento insiste em um delírio de que a urna é violável e não é segura. Ao contrário desta narrativa, a urna eletrônica segue, desde sua adoção em 1996, sem nenhuma comprovação de fraude.

O TSE tem respondido a todos os questionamentos técnicos sobre as vulnerabilidades do sistema de votação. Mesmo assim, os seguidores do Gabinete do Ódio insistem em atacar as urnas.

Ao seguir defendendo mentirosos e utilizando o púlpito para levantar falso testemunho, o pároco da igreja São Roque, em Laranjal Paulista, iguala-se a seu candidato a presidente e comete pecados a olhos do catolicismo e da democracia brasileira. A mentira é tão condenável para Deus que é um dos pecados capitais: “Não levantarás falsos testemunhos contra o seu próximo.”