20 de agosto de 2018

A presidenta legitimamente reeleita em 2014 e agora candidata ao Senado por Minas Gerais, Dilma Rousseff, comentou por meio de vídeo, a determinação do Comitê de Direitos Humanos da ONU, para que o governo e Judiciário brasileiro permitam que Luiz Inácio Lula da Silva desfrute e exercite de seus direitos políticos.

Sobre as inúmeras tentativas de distorções dos fatos em relação ao parecer do Comitê, Dilma esclareceu que não há desrespeito à autonomia de nossas instituições. “Ao contrário do que alguns estão dizendo por aí, não se trata de intromissão em nossos negócios internos, uma vez que o Brasil é país fundador e signatário das Nações Unidas e tem como política do estado respeitar as suas decisões”, evidenciou.

Acrescentou, conforme consta no documento das Nações Unidas, que ninguém pode impedir que Lula concorra à Presidência e que ainda tenha acesso apropriado à imprensa e aos companheiros de partido: “a decisão reconhece que houve violação do pacto dos Direitos Civis da ONU, do qual o Brasil é signatário”. Salientou também que “diante dessa decisão, nenhum órgão do Estado Brasileiro poderá apresentar qualquer obstáculo à candidatura de Lula, sob
pena de violar determinações do Comitê”.

Dilma encerra seu pronunciamento lembrando: “O mundo clama pelos direitos de Lula e do povo brasileiro. É hora da Justiça fazer justiça”.