31 de agosto de 2018

O país e, em especial, o Nordeste vivenciaram dois momentos muito distintos na Educação: antes e durante os governos do PT à frente da presidência da República. O Ceará é exemplo disso. Antes, o estado contava com apenas cinco escolas técnicas. Durante as gestões petistas, foram construídas outras 26 escolas destinadas aos ensinos técnico e profissional.

O número de matrículas na rede federal de ensino técnico triplicou, passando de 2,6 mil, em 2002, para 9,8 mil, em 2015. Além disso, o Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – matriculou 362.904 jovens por todo o estado, do litoral ao sertão (dados de março/2016).

Os avanços na educação aconteceram em todos os níveis. No ensino superior, o número de estudantes aumentou em quase quatro vezes: saltou de 74,3 mil, em 2002, para 274,9 mil, em 2016. Foram construídas duas universidades federais e instalados nove câmpus. Além disso, juntos, os programas ProUni e FIES deram oportunidade para 155.700 alunos ingressarem na universidade.

Em seu próximo governo, Lula quer avançar mais ainda. Seu plano de governo prevê uma forte política nacional de alfabetização no âmbito do ensino fundamental, nos termos do PNE (Plano Nacional de Educação), em colaboração com estados e municípios, reconhecendo as diferentes necessidades dos educandos em cada lugar. A meta é garantir que todas as crianças, adolescentes e jovens de 4 a 17 anos estejam na escola e que aprendam.