24 de outubro de 2018

Dias depois de vir à tona o vídeo que traz a grave declaração de que “com um soldado e um cabo seria possível fechar o Supremo Tribunal Federal (STF)”, ressurge outro vídeo do deputado federal Eduardo Bolsonaro com ameaças ao Supremo Tribunal Federal.

Durante audiência, em julho deste ano, sobre o voto impresso, Eduardo Bolsonaro falou em aumentar o número de ministros do Supremo, proposta defendida por seu pai, e declarou que, caso o próximo presidente venha a tomar medidas consideradas inconstitucionais pelo STF, “a gente não vai se dobrar”.

“Eu acredito que, caso o próximo presidente venha a tomar medidas e aprovar projetos que sejam contrários ao gosto desse Supremo, eles vão declarar inconstitucional. E aqui a gente não vai se dobrar a eles, não. Eu quero ver alguém reclamar quando estiver no momento de ruptura mais doloroso do que colocar dez ministros a mais na suprema corte. Se esse momento chegar, quero ver quem vai pra rua fazer manifestação pelo STF, quem vai pra rua dizer “ministro X, volte, estamos com saudades” — disse Eduardo Bolsonaro.

O deputado federal esquece de elucidar que são consideradas inconstitucionais aquelas medidas que ferem a Constituição Federal de 1988.

Eduardo Bolsonaro afirmou durante o discurso na comissão que uma outra possibilidade seria mudar o nome do Supremo, sem esclarecer o que estaria por trás da medida.

Citado por Eduardo no discurso, o artigo publicado no dia 19 de junho deste ano pelo jornal goiano Hora Extra, de sua autoria, ataca decisões da Corte e afirma: “Ambos os ocupantes das cadeiras mencionadas no Executivo e Legislativo podem ser trocados nas eleições deste ano. Fiquemos atentos, pois a subserviência à ditadura do STF pode estar próxima, é hora da contrarrevolução!”, escreveu o filho do presidenciável na conclusão do artigo.