17 de julho de 2014

Reunidos em Fortaleza (CE) nesta terça-feira (15), os chefes de Estado dos países membros dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) anunciaram a criação de um novo banco de desenvolvimento que financiará obras de infraestrutura nos cinco países e também em países pobres e emergentes. Juntos, os países dos Brics somam 43% da população e 23% do PIB mundial. 
Dos cinco países dos BRICS, apenas a África do Sul não está entre as 10 maiores economias do mundo. Sobre a participação da África do Sul nos BRICS, Celso Marcondes, diretor do Instituto Lula para a África, falou ao “Seu Jornal ‘ da  TVT, a TV dos Trabalhadores.

Apesar de ser a menor economia do grupo,  Marcondes lmebrou que a África do Sul é a porta de entrada para um continente que vive um processo muito forte de crescimento. Nos últimos 12 anos, o Brasil deu um  salto em seu comércio exterior, graças a uma política de maior aproximação com os países africanos e de todo Hemisfério Sul que resultou numa grande diversificação dos nossos parceiros comerciais. Só para os países dos BRICS o Brasil exportou em 2013 o equivalente US$ 57 bilhões e importou US$ 48 bilhões. Para a África do Sul, o Brasil exporta principalmente autopeças, chassis e automóveis.

Para Celso, a participação do país africano nos BRICS é motivo de comemoração. “A África do Sul é a porta de entrada para todo continente africano, que está num processo de crescimento muito forte. O país hoje tem uma economia sólida e democrática. Acabou de realizar eleições democrática há alguns meses. A África do Sul de Nelson Mandela rompeu com um dos regimes mais hediondos da história da humanidade, o Apartheid, há apenas 20 anos e hoje está trilhando o caminho da democracia. É um país com o qual temos relações comerciais bastante sólidas, que só têm aumentado. Além de tudo isso, o país é o principal destino turístico dos brasileiros que procuram conhecer a África, que é logo ali, atravessando o rio Atlântico”.

Veja a gravação: