11 de outubro de 2021

A política econômica de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes não para de dar resultados desastrosos. Nesta sexta-feira (8), o IBGE divulgou os dados da inflação de setembro, e a notícia não poderia ser pior: no mês passado, o IPCA subiu 1,16%, a maior variação para um mês de setembro desde 1994, quando o índice foi de 1,53%.

O número confirma, ainda, que o Brasil, definitivamente, está com uma inflação anual de dois dígitos, ou seja, acima de 10%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 10,25%, segundo o IBGE.

O IPCA, ou Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, é a principal medida da inflação. Antes dele, outros índices medidos pelo IBGE também já haviam registrado alta acima de 10% em um ano. O INPC acumula alta de 10,78% entre outubro de 2020 e setembro de 2021. E o IPCA-15, de 10,05% (veja no fim da matéria a diferença entre IPCA, IPCA-15 e INPC).

Inflação acumulada nos últimos 12 meses:

Bolsonaro adora lavar as mãos sobre os péssimos resultados econômicos durante seu governo. Costuma dizer que ele nada pode fazer, o que é só mais uma de suas infinitas mentiras. Uma análise do que fez o IPCA acumular alta de 10,25% nos últimos 12 meses comprova que essa inflação é culpa direta do atual governo.

De acordo com o IBGE, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em setembro. O maior impacto (0,41 p.p.) e a maior variação (2,56%) vieram deHabitação. E o que provocou um aumento tão grande nesse grupo? Energia elétrica.

Bolsonaro e Guedes subiram o preço da conta de luz, criando uma nova tarifa, depois de demorarem a ligar as termelétricas e deixarem os reservatórios do país atingirem níveis críticos. Incompetência pura do governo, mas quem paga o pato é a população.

Combustíveis e comida

Os outros dois grupos que mais elevaram o IPCA foram os de Transportes (alta de 1,82% em setembro) e Alimentos e Bebidas (1,02%). E aí, os grandes violões foram, respectivamente, os preços dos combustíveis e da comida. 

E aqui a culpa também é claramente de Bolsonaro e Guedes. A gasolina, o diesel e o gás de cozinha estão tão caros porque a Petrobras dolarizou os preços dos combustíveis. 

Já a comida a preços absurdos mesmo com tanta gente desempregada é resultado do abandono das políticas de segurança alimentar, que significou o fim dos estoques reguladores de alimentos, que na era Lula e Dilma serviram para o governo controlar o preço dos itens mais consumidos pela população, como arroz e feijão.

O brasileiro, que já sofre com o desemprego, a perda de renda e a péssima gestão da pandemia, que já levou 600 mil vidas, sofre também com o descontrole da inflação, provocada, diretamente, por este governo desumano e incompetente. O Brasil precisa se livrar de Bolsonaro já.

Qual a diferença entre IPCA, IPCA-15 e INPC?

  • O IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – aponta a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos.
  • O IPCA-15 difere do IPCA na abrangência geográfica e no período de coleta, que começa no dia 16 do mês anterior. Funciona como uma prévia do IPCA.
  • O INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor – verifica a variação apenas para famílias com entre 1 e 5 salários mínimos de renda. São grupos mais sensíveis às variações de preço, pois tendem a gastar todo o seu rendimento em itens básicos, como alimentação, medicamentos, transporte etc.

Da Redação

Originalmente postado em: https://pt.org.br/inflacao-tem-pior-setembro-desde-1994-e-sobe-1025-em-12-meses/