29 de março de 2022
Foto: Ricardo Stuckert

Durante debate sobre os preços dos combustíveis hoje (29), no Rio de Janeiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a narrativa montada pela Lava Jato contra a Petrobras, que resultou na destruição de patrimônio nacional e na política de preços que tanto prejudica a população brasileira atualmente.

“Aconteceu neste país que uma parcela de pessoas do Ministério Público, que fazia parte da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, criou a imagem de que todos que defendem a Petrobras são corruptos, que os trabalhadores são corruptos, que toda a direção é corrupta. Então, agora que está ficando provado quem é quem na história do país, agora que está ficando quem está roubando a Petrobras, agora que está ficando provado de quem é o interesse de destruir a Petrobras, nós temos que fazer a nossa tarefa”, disse ele.

O ex-presidente afirmou que os anos de campanha intensa na mídia nacional fizeram com que a sociedade tivesse uma visão torta sobre o que acontecia na Petrobras e isso tinha o objetivo de atingir a soberania nacional, abrindo a exploração do petróleo brasileiro para empresas estrangeiras. “Foi montada uma narrativa para sociedade brasileira contra nós e foi contada para 213 milhões de brasileiros que estavam sentados no sofá, ouvindo todas as mentiras que contaram contra a Petrobras”, disse Lula, acrescentando que imprensa foi refém da Lava Jato.

“Durante 4 anos a imprensa brasileira foi refém das mentiras do Moro, das mentiras do Dallagnol e das mentiras da Lava Jato. O Dieese produziu um material extraordinário:  4,4 milhões de pessoas ficaram desempregadas por causa da Lava Jato, as empresas de engenharia foram destruídas porque o objetivo era entrar as empresas de engenharia internacionais aqui”, ressaltou.

Ao falar da questão da soberania, Lula citou um livro que leu durante os 580 dias que permaneceu preso na Polícia Federal em Curitiba por conta das acusações infundadas da Lava Jato, chamado “O Petróleo”, de Daniel Yergin. “Fiquei convencido que todas as guerras de 1860 para cá foram por causa do petróleo. Em todas elas estavam envolvidas grandes empresas de petróleo e em todas elas estavam envolvidos os Estados Unidos”, destacou.

O ex-presidente também mencionou a importância de demonstrar para a população brasileira que os combustíveis e derivados de petróleo estão sendo vendidos a preços que estão completamente fora da realidade do país, e que fatores externos não deveriam afetar os valores de itens produzidos dentro do próprio território nacional.

“Eles passaram para a sociedade a história de que a gasolina está cara por causa da guerra na Ucrânia. Eu estava dizendo outro dia, o petróleo na crise de 2008 chegou a 147 dólares o barril e o preço da gasolina era R$ 2,60, numa demonstração de que não precisa. Eu tive um plano de distribuir gás para 29 milhões de lares. Há condições para colocar o gás como um item da cesta básica”, afirmou Lula.