04 de março de 2022

A visita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao México essa semana foi assunto na mídia mexicana e nacional.  Nos discursos e conversas com lideranças do país, Lula falou sobre a participação da América Latina na construção da paz e de um mundo multipolar e equilibrado, a busca pela igualdade e justiça e sobre o fortalecimento da relação entre as duas nações. Lula fez discursos firmes condenando a guerra na Ucrânia e exortando o mundo a se unir na guerra contra a fome e a pobreza. Mais uma vez o ex-presidente é recebido como chefe de Estado em um país estrangeiro e se torna destaque na imprensa internacional.

Em sua passagem pelo México, Lula encontrou-se com o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), no Palácio Presidencial, na Cidade do México. Lula também discursou na Câmara dos Deputados e no Senado Federal do país.

O jornal El Financiero destacou o “fraterno encontro” de Lula com o presidente López Obrador (AMLO). Após a reunião, que durou mais de três horas, o presidente mexicano afirmou que Lula é um líder reconhecido, muito importante no Brasil, na América Latina e no mundo. “Foi vítima de um ato autoritário, repressivo, crimes foram fabricados contra ele e o prenderam injustamente”, disse o líder mexicano.

O periódico La Jornada destacou que Lula pode ser candidato novamente em 2022 e que as últimas pesquisas eleitorais o consideram vencedor em todos os cenários possíveis do segundo turno.  Segundo o El pais, o ex-presidente é a única figura que pode derrotar Jair Bolsonaro.

Ao La Jornada, Lula afirmou que a antipolítica de Bolsonaro será derrotada nas urnas em 2022. O jornal lembrou que Lula deixou a presidência do Brasil no fim de 2010 com 87% de aprovação.

“O ex-mandatário brasileiro assegurou que se vencer as eleições visitará nosso país para formar uma aliança”, disse o El Heraldo de México. O jornal destacou que em discurso na Câmara do Deputados, Lula pediu aos parlamentares do Morena que se preparem contra os embates da oposição, que não lhe darão trégua.

Enquanto isso, a cobertura da imprensa brasileira sobre a viagem foram bastante tímidas. A Folha de S.P. deu destaque à fala do ex-presidente sobre a necessidade de a América Latina se unir pela paz e contra a guerra promovida pela Rússia. O G1 deu ênfase ao pronunciamento do ex-presidente na Câmara dos Deputados do México. “Lula disse que mortes por Covid, fome e desemprego são consequências da ascensão da extrema direita no Brasil”, noticiou.