13 de novembro de 2018
Foto: Ricardo Stuckert

Lideranças partidárias e movimentos sociais irão acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva previsto para a próxima quarta-feira (14) em Curitiba. Esta será a primeira vez que Lula deixa a sede da Superintendência da Polícia Federal desde que foi preso em 7 de abril deste ano. O ex-presidente irá depor à juíza substituta da Lava Jato, Gabriela Hardt, sobre o processo do sítio de Atibaia.

Há sete meses, Lula tornou-se preso político após ser condenado em segunda instância no processo envolvendo um triplex na cidade do Guarujá que nunca foi dele. Sua condenação sem provas e com motivação política tem sido notícia em jornais do mundo todo. Líder nas pesquisas eleitorais, Lula foi preso a exatos seis meses da eleição. Durante o processo eleitoral, até mesmo a ONU (Organização das Nações Unidas) emitiu decisão exigindo que fosse respeitado o direito de Lula concorrer às eleições, ordem que não foi cumprida pelas autoridades brasileiras.

Reunido nesta segunda-feira (12), o Comitê Nacional Lula Livre, composto pelas frentes Brasil Popular, Povo sem Medo, Partido dos Trabalhadores e demais movimentos, informou que irá acompanhar Lula em mais esse episódio de perseguição contra o ex-presidente e seu legado.

A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, o líder da bancada petista na Câmara, Paulo Pimenta, e lideranças de diversos movimentos sociais estarão em Curitiba para defender Lula e pedir um julgamento justo para o presidente.