19 de abril de 2022
Foto: Ricardo Stuckert

Preocupado com a política de dolarização dos combustíveis, que joga os preços nas alturas, e com os brasileiros que, sem condições de pagar pelo gás, se arriscam cozinhando com lenha, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que, num eventual novo governo, fará do gás de cozinha item da cesta básica. 

“Não tem sentido nesse país alguém pagar R$ 122 num botijão de 13 quilos de gás e ter gente cozinhando no meio da rua em São Paulo e no Rio de Janeiro com tijolo e lenha porque não tem dinheiro para comprar o gás. Durante todo o período que governamos o Brasil, nós não aumentamos o gás na Petrobras. O gás tem que ser considerado um bem da cesta básica. É isso que nós temos que fazer. 

Lula chamou de irresponsabilidade governamental o descontrole nos preços e disse que, se voltar a governar, vai abrasileirá-los.  “Se eu voltar a governar esse país, nós vamos abrasileirar o preço do gás, o preço do óleo diesel, os preços da gasolina. Nós somos autossuficientes, o petróleo é prospectado em real, as sondas são feitas em reais, os trabalhadores ganham salário em real, portanto não há explicação para dolarizar”, afirmou em entrevista ao vivo à rádio Conexão 98 FM, de Palmas (TO), defendendo que as refinarias voltem a refinar. “Não é possível uma pessoa gastar 400 reais para encher o tanque de um gol. Isso é irresponsabilidade governamental”, disse.

De acordo com o ex-presidente, a paridade dos combustíveis brasileiros aos preços internacionais serve apenas para aumentar dividendos para acionistas quando, na verdade, uma parte dos dividendos deveria ser transformada em novos investimentos da Petrobras. 

Lula disse ainda que a solução para os problemas do Brasil passa por eleger um presidente que tenha credibilidade interna e externa e previsibilidade das coisas que vai fazer. Ele lamentou o fato de o Brasil hoje não ter governo, com um presidente focado em mentir, inventando muitas fake news por dia.  “Lamentavelmente, nós não temos governo, então é preciso refazer a democracia, reconstruir a governança e fazer com que esse país viva bem”.