09 de abril de 2020
Foto: Ricardo Stuckert

Da Associated Press

Em isolamento em casa, apenas alguns meses após sua libertação da prisão, o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que o presidente Jair Bolsonaro precisa mudar sua abordagem desdenhosa do novo coronavírus ou corre o risco de ser forçado a deixar o cargo antes do fim de seu mandato em dezembro de 2022.

O ex-presidente conhecido como Lula disse em entrevista à Associated Press que o desafio de Bolsonaro contrário à exigência do distanciamento social dificulta os esforços de governadores e prefeitos para conter o vírus.

Ele também argumentou que o Brasil pode precisar imprimir dinheiro para proteger os trabalhadores de baixa renda e manter as pessoas em casa, uma proposta que certamente suscitará preocupações em um país com histórico de hiperinflação e uma moeda em queda.

A sociedade brasileira talvez não tenha paciência para esperar até 2022. A mesma sociedade que o elegeu (Bolsonaro) tem o direito de destituir esse presidente quando perceber que ele não está fazendo o que prometeu

Da Silva, que governou entre 2003 e 2010, no momento em que a economia do Brasil estava forte, reconheceu que é improvável que Bolsonaro atenda aos crescentes apelos da oposição para renunciar e que não há votos suficientes no congresso pelo impeachment.

“A sociedade brasileira talvez não tenha paciência para esperar até 2022”, disse Silva em uma vídeo conferência. “A mesma sociedade que o elegeu tem o direito de destituir esse presidente quando perceber que ele não está fazendo o que prometeu. Um presidente que cometeu erros e está criando um desastre. Bolsonaro, neste momento, é um desastre”.

Algumas pessoas em várias regiões do país que votaram massivamente em Bolsonaro nas eleições de 2018 estão desiludidas com ele, batendo panelas nas janelas de suas casas em protestos que se tornaram regulares nas últimas duas semanas. O presidente subestima o surto, o que o coloca em desacordo com quase todos os 27 governadores do país.

Cerca de 800 pessoas morreram da doença COVID-19 no Brasil até agora e existem quase 16.000 casos confirmados, a maioria dos registrados na América Latina. O Brasil espera um pico nos casos de vírus no final de abril ou início de maio.

No mês passado, Lula elogiou o governador de São PauloJoão Doria, ex-aliado do presidente, por impor restrições destinadas a coibir a disseminação do vírus. Bolsonaro, que frequentemente se refere a Silva como um “ex-presidiário”, disse em uma entrevista de rádio que se sente constrangido quando políticos conservadores que se voltaram contra ele durante a crise recebem elogios do líder de esquerda.

Treinei espiritualmente para viver bem. Não é fácil viver em 15 metros quadrados, vendo a família uma vez por semana

“Estou apenas reconhecendo aqueles que fizeram um trabalho mais eficaz”, disse Da Silva, acrescentando que Doria continuará sendo um adversário político.

Lula, que sobreviveu a um câncer, aos 74 anos, está isolado com sua namorada e dois cães na cidade de São Bernardo do Campo, nos arredores de São Paulo, desde que voltou de uma viagem à Europa. Ele disse que não teve nenhum sintoma do vírus, nem foi testado, e tem encontrado muito poucos políticos. A maioria de suas conversas agora é online.

O ex-presidente disse que seus 580 dias de prisão o ajudaram a lidar melhor com as recomendações de saúde para permanecer em casa. Ele é livre enquanto apela contra condenações por corrupção e lavagem de dinheiro, que, segundo ele, são motivadas politicamente.

“Treinei espiritualmente para viver bem. Não é fácil viver em 15 metros quadrados, vendo a família uma vez por semana”, disse ele. “Agora estou em casa com minha namorada Janja morando comigo. É muito melhor. Eu tenho espaço, pessoas com quem conversar o tempo todo”.

Bolsonaro contestou as recomendações da Organização Mundial da Saúde e de seu próprio Ministério da Saúde sobre distanciamento social e outras medidas para conter o vírus. Ele chamou repetidamente o COVID-19 de “uma gripezinha”.

O ex-presidente da Silva acredita que o Brasil pode precisar imprimir dinheiro para evitar o fechamento de negócios e o caos social. A economia brasileira sofre desde 2015, com cerca de 12 milhões de pessoas desempregadas e três vezes mais pessoas no setor informal e sem trabalho.

Os que precisam de liquidez neste momento são pessoas pobres. Eles precisam comprar sabão, desinfetante para as mãos. É quem precisa de liquidez, não o sistema financeiro brasileiro. Para vencer o coronavírus, precisamos de mais Estado, mais ação das autoridades públicas, de ganhar dinheiro novo e garantir que ele chegue às mãos das pessoas

“Os que precisam de liquidez neste momento são pessoas pobres. Eles precisam comprar sabão, desinfetante para as mãos. É quem precisa de liquidez, não o sistema financeiro brasileiro ”, afirmou. “Para vencer o coronavírus, precisamos de mais Estado, mais ação das autoridades públicas, de ganhar dinheiro novo e garantir que ele chegue às mãos das pessoas”.

A receita de Lula Da Silva contraria a ideologia do governo Bolsonaro, liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, formado pela Universidade de Chicago. Após sua nomeação, ele prometeu reduzir o tamanho e a influência do Estado através de vastas privatizações e restringindo empréstimos bancários estaduais.

Desde o surto, houve algum reconhecimento da necessidade de fornecer alívio financeiro. Entre outras coisas, o banco estatal Caixa Econômica Federal reduziu as taxas de juros dos cheques e das parcelas de cartão de crédito, e o governo permitiu que as pessoas retirassem o equivalente ao salário mínimo de um mês das contas de aposentadoria. Também aprovou pagamentos mensais de US$ 117 para ajudar a manter os trabalhadores de baixa renda. Os benefícios devem começar a ser pagos nesta quinta-feira.

Ainda assim, não basta, disse Lula Da Silva. Ele acrescentou que o apoio à possível impressão de dinheiro não é radical, mas uma medida necessária em uma circunstância desesperada.

“Em tempos de guerra, você faz coisas que não são normais porque o que importa é a sobrevivência. O coronavírus é um inimigo invisível cuja forma sabemos, mas ainda não sabemos como derrotá-lo

“Em tempos de guerra, você faz coisas que não são normais porque o que importa é a sobrevivência”, disse ele. “O coronavírus é um inimigo invisível cuja forma sabemos, mas ainda não sabemos como derrotá-lo.”

Políticos esquerdistas brasileiros de diferentes partidos, incluindo do Partido dos Trabalhadores, fundado por Lula da Silva, publicaram uma carta na semana passada pedindo a renúncia de Bolsonaro por sua má gestão durante a pandemia. O ex-presidente não assinou, mas disse que suas opiniões são claras.

“Não há saída com Bolsonaro se ele não mudar seu comportamento”, disse ele. “Seria muito mais fácil pedir desculpas, admitir que estava errado, dizer ao povo brasileiro que sente muito”.