26 de março de 2018

Na tarde deste domingo (25), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou a Cooperoeste, Cooperativa Regional de Comercialização do Extremo Oeste. Localizada em São Miguel do Oeste (SC), a cooperativa de laticínios com capacidade de produção de 500 mil litros de leite por dia está entre as maiores cooperativas da agricultura familiar brasileira. Administrada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e pelo Movimento de Pequenos Agricultores, a Cooperoeste existe há duas décadas, fruto da luta de famílias que enfrentaram a lona dos acampamentos, foram assentadas e hoje produzem leite e derivados para toda a região Sul e o Distrito Federal. 

O ex-presidente Lula conheceu toda a estrutura da cooperativa, do recebimento do leite, inspeção e pasteurização até o processo de embalagem. Saiu convencido de que a cooperativa “é um exemplo” e disse que gosta de aprender coisas novas para saber o que pode ser feito quando se dá oportunidade às pessoas. “Mais uma prova de que o pequeno produtor pode produzir com qualidade, e que é possível manter mais gente no campo, trabalhando e produzindo”.

Lula também visitou a cooperativa OesteBio, que produz sementes para a agricultura familiar. No tour pela produção, Lula ficou sabendo que três mil pequenos agricultores entregam sementes para a cooperativa e que no auge do Programa Aquisição de Alimentos, mais de 100 mil famílias receberam sementes da unidade de São Miguel do Oeste. 

A má notícia  ficou por conta do atual desmonte dos programas de incentivo à agricultura. No caso do PAA, os cooperados informaram que o valor destinado à região foi de R$ 500 mil no último ano, sendo que na safra 2012/2013 o montante chegou a 14 milhões de reais.

Desafios

Lula ouviu histórias de agricultores como sr. Benetti, do assentamento Romelândia, beneficiado com Luz Para Todos, programas de habitação rural, Programa Mais Alimentos e crédito rural. Mas ouviu também diversos problemas, das sabotagens e boicotes de que a cooperativa foi alvo a preços abusivos praticados pelos grandes compradores até entraves burocráticos que impedem a venda da produção do pequeno agricultor nos grandes centros.

Aos trabalhadores, o ex-presidente afirmou que quer voltar à presidência da República para dar continuidade às políticas públicas que beneficiam a população do campo. “Depois de ficar oito anos fora eu tenho clareza das coisas que a gente deixou de fazer. Tenho clareza das vezes em que fui enganado por burocratas que travavam as leis a gente aprova. Eu quero voltar pra dar uma mexida nisso”.

“Tem muita coisa para ser feita neste país, mas eu vou falar com clareza: só vai ser possível se a gente revogar tudo o que está sendo desmontado por esse governo. Por isso é importante fazer uma conscientização de que é preciso votar em deputados comprometidos com as causas de vocês.”, alertou Lula. 

“Quando eu vejo uma cooperativa dessa funcionando como está, a gente acredita que dá pra criar outras, mas tem que nascer debaixo pra cima. Podem contar comigo pra ajudar”.