23 de agosto de 2018

Fazer a transposição do rio São Francisco era uma profissão de fé para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nordestino, que sofreu com a seca na infância pobre, em Caetés (PE), ele não mediu esforços para levar adiante o projeto, hoje uma realidade, para vários municípios do Nordeste brasileiro.

Foi sobre esse sonho que Lula falou em Campina Grande, quando visitou a Paraíba, em agosto de 2017. “Se eu pudesse, queria ser um barquinho de papel para jogar lá na captação do rio São Francisco e acompanhar a água fazer toda a trajetória para recuperar os açudes que estão secos”, afirmou, para uma multidão, durante a etapa paraibana do projeto Lula Pelo Brasil.

Projetos relacionados à captação, distribuição e consumo da água, promovidos por Lula e o PT, transformaram vidas miseráveis em vidas produtivas. Obrigadas a buscar água longe de casa com latas na cabeça, por décadas, famílias viram essa realidade mudar com a chegada das cisternas. Em um primeiro momento, a água chegou para matar a sede e, depois, como parte dos programas de incentivo à agricultura familiar, que permitiram geração de renda para quem vivia sem perspectivas de arrumar trabalho.

O agricultor José Rivanildo da Silva resumiu o que Lula fez pelo povo do interior paraibano: “Eu foco em quem está focando em nós, porque ele está focando no nordestino, está focando no pequeno agricultor, na pessoa do campo, no homem que coloca a comida na mesa do pessoal da cidade. Lula criou e nos deu uma vida mais ampla e mais digna”.

Além da água, a falta de luz também deixou de ser um problema para os paraibanos. Antes de Lula, muitas pessoas dependiam de candeeiros para iluminar suas casas e não podiam ter eletrodomésticos. Com o Luz para Todos, ninguém mais fica no escuro.

Programas como Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, Prouni, entre tantos outros criados durante os governos petistas possibilitaram ainda mais qualidade de vida para a população do Estado

Não à toa, durante um ato em homenagem a Lula, em João Pessoa, o cacique do povo indígena Tabajara da Paraíba, Edinaldo, defendia o título de patrimônio da Paraíba para o ex-presidente. “A importância desse ato é para reforçar que os indígenas potiguara e tabajara estão vivos aqui e continuamos na luta ainda por educação, por terra e sabemos que o Lula sempre vai ser esse sonho dos menos favorecidos desse país. Obrigado, Lula!”, agradeceu.