21 de dezembro de 2019
Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula participou hoje (21) do Natal Solidário dos Catadores de Material Reciclável e População de Rua, no centro de São Paulo.

Lula se encontrou com os catadores todos os anos quando era Presidente da República, continuou se encontrando com eles depois de ser Presidente, e volta a se reencontrar depois de 580 dias de cárcere político na cadeia. “Tenho muito orgulho de estar aqui livre para participar do Natal dos catadores e da população de rua. Se ao invés de estar aqui eu estivesse jogando golfe, certamente uma parte da elite não tivesse tanto ódio de mim”, disse.

Lula ouviu e conversou no encontro com representantes dos movimentos dos catadores, que relataram os retrocessos nas políticas públicas para o setor nos últimos anos.

Também participaram do encontro os ex-ministros Gilberto Carvalho, Fernando Haddad e o vereador Eduardo Suplicy.

Em um relato emocionado, o jovem André, do Movimento de População de Rua, disse a Lula saber do crime que o ex-presidente, condenado por Moro por “atos indeterminados”, teria cometido. “O senhor foi o primeiro (presidente) a olhar por nós.”

Lula comentou que ficou surpreso ao observar o aumento do número de famílias inteiras morando em situação de rua na Baixada do Glicério. E como o governo atual não tem olhado pelos setores mais frágeis da sociedade. Lula reiterou que, independente de ser presidente, seguirá ao lado dos mais pobres e na luta pela inclusão social. “Eu posso fazer mais por vocês mesmo estando preso na Polícia Federal do que o Bolsonaro na presidência. Se a pessoa não governa com o coração, ela não vai entender as necessidades do povo. Essas pessoas não sabem o que é passar fome, não ter onde morar.”

Lula ressaltou que criou um partido justamente para lutar pelos mais pobres do país. “Quem não quer que falemos de política quer destruir o país, como estão fazendo agora.”

O ex-presidente desejou um feliz Natal para todos e que o amor vença o ódio, para que as pessoas possam tentar viver melhor, com mais tolerância na diversidade. “Que Deus abençoe vocês e não baixem a cabeça nunca”, encerrou.