20 de outubro de 2018

Por Folha de S.Paulo

É falsa a corrente de texto que diz que “principal assessora” do candidato à presidência Fernando Haddad (PT) o “abandonou” após ouvi-lo dizer, em telefonema com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, que quer “que o Brasil se dane” e xingando religiosos.

A mensagem viral com informações falsas circula pelo aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp e em redes sociais como Facebook e Twitter.

Com palavras de baixo calão e erros de grafia e pontuação, diz o texto falso, que não tem autoria: “segundo ela ouviu Haddad falar claramente com a presidente do PT pelo celular; logo após retornar da missa no Santuário de Aparecida: disse Haddad ‘Gleysi! quero que o Brasil se dane e que esses lideres evangélicos se fodam, eu quero é livrar minha pele, estou nessa para conseguir o foro, e me livrar de Moro, tenho 32 processos e a Policia Federal logo, logo estará à minha porta (sic)'”.

Ao projeto Comprova, a assessoria do candidato de Haddad negou as afirmações do boato. Segundo a equipe do petista, não houve nenhuma demissão ou pedido de afastamento, até o momento, de pessoas ligadas ao staff principal do ex-prefeito de São Paulo durante a campanha.

O Comprova também não encontrou nenhum registro na imprensa que sustentasse outras afirmações da corrente de texto.

Segundo a agenda de Haddad, o candidato esteve na cidade de Aparecida uma vez durante a campanha — quando participou do debate na TV Aparecida, no dia 20 de setembro. Na ocasião, entretanto, o candidato não participou de nenhuma missa no santuário local.

No dia dedicado à santa considerada padroeira do Brasil pelos católicos, 12 de outubro, Haddad assistiu a uma missa numa igreja católica no bairro Jardim Ângela, em São Paulo.

No dia 17 de outubro, Haddad reuniu-se, também na capital paulista, com representantes de igrejas evangélicas para pedir apoio político no segundo turno.

Já o registro mais antigo encontrado pelo Comprova da foto que acompanha a corrente de texto data de 2013. Sem crédito, a imagem foi publicada no dia 30 de agosto de 2013 no site do Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC) para acompanhar texto sobre mulheres que vivem em situação de cárcere no país.

De acordo com o texto, Haddad estaria na disputa eleitoral para conseguir foro privilegiado e não ser condenado pelo juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba Sergio Moro, responsável pela operação Lava Jato na primeira instância. A informação, entretanto, é falsa, já que Haddad não responde a nenhum processo pelo qual Moro seja responsável.

A corrente de texto enganosa foi enviada com pedido de verificação ao Comprova por 27 internautas. Também há registros de compartilhamento de internautas comuns no Facebook.