15 de outubro de 2018
Foto;Ricardo Stuckert

“Eu, que tantas vezes, fui acusado de não ter um diploma superior, ganho como meu primeiro diploma  o diploma de presidente da República do meu país”. A frase dita, com voz embargada, foi um dos pontos altos do discurso de posse Luiz Inácio Lula da Silva, em janeiro de 2003.

O que ninguém sabia era que o primeiro presidente brasileiro sem curso universitário seria aquela que mais investiria em educação. Lula  aumentou o orçamento para a pasta, de R$ 18,1 bilhões,  em 2003, para R$ 54,2 bi, em 2010. Durante seus mandatos,  cresceu o número de jovens que ingressaram no ensino médio na idade certa, aumentou o acesso ao ensino superior, as universidades chegaram ao interior do Brasil e os professores ganharam um piso salarial.

Em reconhecimento aos grandes feitos do ex-presidente na área, ele ganhou mais de 30 Honoris Causa, no Brasil e fora dele.  Mas, para Lula, nenhum deles é mais importante do que o diploma universitário conquistado pelo filho do pedreiro, da empregada doméstica, do trabalhador rural e de toda a gente pobre desses país.

“Tinha certeza que o maior legado que eu poderia deixar para o Brasil era fazer com que os jovens que nasceram pobres chegassem na universidade. Vocês não sabem a minha felicidade ao ver que um filho de pedreiro virou doutor ou uma filha de empregada doméstica virou médica”.

Neste 15 de novembro, Dia do Professor, é preciso também agradecer a Luiz Inácio Lula da Silva, que revolucionou a educação no Brasil.