21 de agosto de 2018

Há exatamente um ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebia o título de doutor honoris causa da Universidade Federal de Sergipe (UFS), em Lagarto, Sergipe. A homenagem era em retribuição ao que Lula fez, como Presidente da República, não só pela cidade do centro-sul sergipano, mas por todo o estado na área da educação.

“Eles não queriam que filho de empregada virasse doutor e, hoje, temos aqui vários filhos de empregadas e pedreiros virando médico, engenheiro”, disse ao receber a honraria, em 21 de agosto de 2017.

Com a UFS de Lagarto, Lula levou para o interior a oferta de cursos como medicina, odontologia, enfermagem, nutrição, fisioterapia, fonoaudiologia, farmácia e terapia ocupacional. Algo inédito para a população de pouco mais de 100 mil habitantes, que ainda foi beneficiada com laboratórios com tecnologia de ponta e estruturas completas de atendimento à saúde dentro da universidade.

A mudança na realidade de muitos sergipanos, citada por Lula, só foi possível graças à ampliação da rede federal de ensino superior – Sergipe ganhou três campi – e a projetos de inclusão específicos para a área de educação.

No Estado, de 2004 até 2016, 15.386 alunos tiveram acesso à universidade por meio do Prouni, que oferece bolsa de estudos para escolas particulares. No mesmo período, o FIES garantiu, por sua vez, financiamento estudantil a 26.347 pessoas.

Lula e o PT não investiram apenas no ensino superior. Até março de 2016, foram mais de 164 mil matrículas realizadas nos ensinos técnico e profissional no Pronatec. No mesmo período, foram construídas 5 novas escolas técnicas, incluindo os Institutos Federais criados por Lula, que são referência no ensino médio.

Além de melhorar a infraestrutura e ampliar vagas, os governos petistas investiram em transporte escolar e disponibilizaram 738 ônibus, 3 lanchas e 3.660 bicicletas.

 

Agora, Lula quer impedir o desmonte de todas as conquistas e ampliar os horizontes. Em seu próximo governo, o ex-presidente continuará investindo em todas as etapas e modalidades da educação, mas dará atenção especial ao ensino médio.

Revogará imediatamente a reforma do ensino médio promovida pelo governo golpista de Michel Temer e vai, juntamente com a sociedade, promover a reformulação curricular por meio da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio.

A nova base quer garantir aos estudantes educação integral, por meio de projetos pedagógicos que, permitam o acesso ao estudo do português e da matemática, aos fundamentos das ciências, da filosofia, da sociologia e das artes, à educação física, à tecnologia, à pesquisa, em integração e articulação com as formações técnica e profissional. Os Institutos Federais e o Sistema S serão parceiros nesse projeto.

Outra meta de Lula é garantir que todos, entre 4 e 17 anos, estejam na escola e aprendam.

Em seu plano de governo, há o compromisso também em realizar, em diálogo com a sociedade, ajustes na Base Nacional Comum Curricular do ensino fundamental. Em colaboração com estados e municípios, Lula vai implementar uma forte política nacional de alfabetização.

No ensino superior, Lula vai ampliar os investimentos em ciência, tecnologia e inovação. Universidades e Institutos Federais serão fortalecidos, interiorizados e expandidos com qualidade e financiamento permanente.