01 de setembro de 2018
Foto: Ricardo Stuckert

Os governos do PT fizeram uma verdadeira revolução na educação de Pernambuco. O número de matrículas em universidades mais do que duplicou com Lula e Dilma: passou de 109.200 universitários, em 2002, para 264.100, em 2015.

Criado pelo governo Lula em 2004, o Programa Universidade para Todos (ProUni), por exemplo, foi responsável por levar 49.100 pernambucanos de baixa renda ao ensino superior graças às bolsas integrais e parciais ofertadas aos alunos egressos de escolas públicas.

Além do ProUni, outros programas também foram responsáveis por promover o ingresso de jovens e adultos nas universidades de Pernambuco. O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) possibilitou a 80.819 pernambucanos, até março de 2016, acesso aos bancos universitários. Lula e Dilma ainda inauguraram no estado sete campi univeritários federais. Os avanços no ensino superior no estado não pararam por aí. Com o programa Ciência Sem Fronteiras, 4.121 estudantes pernambucanos tiveram a oportunidade de cursar gratuitamente a graduação ou a pós-graduação no exterior.

Os ensinos técnico e profissionalizante também receberam atenção especial durante os governos do PT. Ao todo, 16 escolas técnicas em dois Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia foram criados por Lula e Dilma para levar educação de qualidade e assim melhorar a vida de milhares de jovens. Ainda com objetivo de elevar a qualificação e a renda dos pernambucanos, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) atendeu 484 mil estudantes até 2015.

A educação básica também recebeu mais investimentos e ganhou qualidade. Durante os mandatos petistas, para garantir o transporte escolar seguro a crianças e adolescentes que vivem em áreas distantes dos grandes centros, o governo federal foi responsável pela aquisição de 1.900 ônibus e 23.292 bicicletas por meio do programa Caminho da Escola.

Para continuar promovendo todos os avanços na área da educação e barrar os retrocessos promovidos pelo governo ilegítimo de Michel Temer/PSDB, Fernando Haddad será o próximo presidente da República. Em seu Plano de Governo, ele assume o compromisso de voltar a investir nos ensinos técnico, profissional e superior. Para isso, vai fortalecer universidades e Institutos Federais e também vai revogar a reforma do ensino médio implantada pelo atual governo.

No ensino fundamental, serão realizados ajustes na Base Nacional Comum Curricular. A meta é garantir que todas as crianças, adolescentes e jovens de 4 a 17 anos estejam na escola. Na educação infantil, o objetivo é assegurar a educação integral e também a retomada da colaboração com os municípios para ampliar as vagas em creches.