20 de novembro de 2018

Matéria do jornal O Estado de S. Paulo publicada ontem (18/11), com claro intuito persecutório, gerou distorção ao fazer parecer que o ex-presidente Lula, preso indevidamente há quase 8 meses, teria recebido mais visitas do que permitido. O direito de um preso de receber seus advogados não se confunde com o direito de visitas, de familiares e amigos, que ocorre nas quintas-feiras. As visitas ao ex-presidente Lula cumprem estritamente as regras estabelecidas pelo juízo da execução penal. No período foram inclusive negadas visitas de governadores, de um assessor do Papa e do cantor inglês Roger Waters. Não há privilégios para Lula, condenado sem crime e sem provas e preso contra o texto da Constituição Federal.

Cristiano Zanin Martins, advogado do presidente Lula