14 de setembro de 2018

Durante seminário realizado pela fundação Perseu Abramo, nesta sexta-feira (14/09), em São Paulo, que reuniu personalidades internacionais para debater a democracia, o ex-primeiro-ministro da Espanha, José Luís Rodriguez Zapatero, que governou a Espanha de 2004 a 2011, afirmou que as eleições de 2018 são “decisivas para o Brasil, para a América Latina e para a ordem mundial”.

Zapatero declarou que “o Brasil do presidente Lula, da democracia, é uma referência decisiva para a América Latina, o Brasil da esperança que deixou legados decisivos para a ordem internacional”.

Assim como a maioria dos líderes mundiais que conheceram a luta de Lula contra a fome, o ex-primeiro-ministro espanhol afirmou que “nunca, até esse momento, havia se empenhado tanta força na luta contra a pobreza e a miséria no mundo. Minha geração pode ser a primeira a ver o fim da mortalidade por fome no mundo e a participação do Brasil de Lula foi decisiva”. Sob fortes aplausos, Zapatero fez questão de enviar um abraço a Lula. “Quero mandar um abraço de carinho, de afeto, de reconhecimento e confiança ao presidente Lula da Silva”, disse.

O líder socialista espanhol recordou a frase dita por Lula: “Lula não sou eu. Há muitos Lulas”. Zapatero afirmou que chegou a hora de demonstrar que, sim, há muitos Lulas: “todo o Brasil progressista que não admite que a democracia seja a superioridade dos mais poderosos”, disse.

Zapatero disse que sabe que abraçará Lula “e sei que o farei com um presidente do PT no Brasil”. Zapatero finalizou: “o primeiro que tem que fazer um homem de esquerda é não perder a confiança em si mesmo, no que representa, nos seus valores, nos seus ideais, e saber que a democracia é sempre luta por democracia”.