26 de outubro de 2018

Para quem ainda não se convenceu de que Jair Bolsonaro é contra a democracia e a favor da tortura, esse vídeo de uma “palestra” do deputado na Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2011, com afirmações espantosas e violentas, vai ajudar a convencer.

Durante sua fala, Bolsonaro afirmou: “Vocês não podem julgar uma pessoa a partir do cadáver. Vocês têm que saber o que aquele cadáver fez até transformar-se em cadáver”. O público começa a gritar ASSASSINO. Ele continuou: “Essa política barata de direitos humanos, ‘não à violência’. Enfrenta vagabundo lá no morro, porra”.

Bolsonaro afirma: “Vocês acham que eu vou deixar um filho meu de 5 anos de idade brincar com uma criança de 5 anos adotada por um casal homossexual? Não vou deixar”. E justifica: “Se anda com homossexual, vai acabar experimentando também. Ou não vai?”.

A plateia que acompanha estarrecida as declarações do candidato começa a vaiar fortemente. Aparentemente, um garoto se vira de costas no fundo da sala e Bolsonaro diz: “Pode virar de costas, você não me atrai, não”. Vaiado mais forte e com manifestações indignadas da plateia, ele afirma: “Graças a Deus não tenho filho igual a vocês, a esse pessoal que está aí fora”.

Visivelmente incomodado com as manifestações contrárias do público, que revindica a democracia para se manifestar, Bolsonaro desqualifica seus opositores e diz: “Que democracia!? Isso é uma bagunça, uma libertinagem, uma Sodoma e Gomorra!”.

Bolsonaro foi eleito deputado pelo estado do Rio de Janeiro, mas, aparentemente, não fazia muita questão de angariar votos na universidade. “Vocês podem pegar o voto de vocês e ir botar na orelha, fiquem à vontade, não estou preocupado com o voto de vocês. Agora, se vocês querem votar no macho, sou eu”.

A pior afirmação de Bolsonaro veio logo depois, quando ele afirma que “o voto do idiota é comprado com o Bolsa Família”.

 

Um professor da universidade então se aproxima, pega o microfone e pergunta a Jair quem tem medo da Comissão da Verdade e quando ele poderia perguntar a seu torturador por que ele o havia torturado. Bolsonaro então responde aos berros: “O que que tu fez para ser torturado? Se é que foi torturado…”.