06 de maio de 2022
Foto: reprodução internet

O resultado do primeiro trimestre da Petrobras divulgado na quinta-feira (5) – lucro líquido de R$ 44,561 bilhões, confirma a política do atual governo de privilegiar o acionista minoritário e deixar a população, especialmente os mais pobres, em apuros, pagando preços proibitivos de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha.

Enquanto o governo não move uma palha para impedir que os combustíveis sejam reajustados a cada variação internacional do petróleo, a empresa aumenta o lucro sem se preocupar que os preços altos impactam a inflação, levam a um aumento generalizado do custo de vida e tornam a vida do brasileiro muito mais difícil.

Por um lado, o carrinho do supermercado está a cada dia mais vazio. Por outro, há pessoas se ferindo e arriscando a vida produzindo fogo para substituir o gás de cozinha, que deveria fazer parte da cesta básica, mas consome cerca de 10% do salário mínimo.

Entre janeiro e março, o lucro da estatal avançou mais de 3700%, exatamente por causa da variação internacional do petróleo e dos ganhos com a receita de venda, que subiu 64,4%, alcançando R$ 141,641 bilhões.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem mencionado com frequência a contradição de o Brasil ser autossuficiente em petróleo, a Petrobras produzir em real e pagar salários em real e permitir que os preços dos combustíveis sejam dolarizados.

Lula defende que os preços sejam “abrasileirados” para proteger a população do efeito cascata que a alta dos combustíveis provoca. Uma das soluções, segundo ele, é voltar a investir em refino, o que o atual governo ignora, tendo paralisado investimentos em novas refinarias que estavam em andamento.

Em declaração sobre o resultado trimestral, o presidente da estatal confirmou a estratégia de desinvestimento na área de refino, assim como na área de gás natural. Sem refino, o Brasil continuará sendo exportador apenas de óleo cru, quando poderia exportar derivados, em vez de importar.

O ex-presidente também tem denunciado que a companhia só se preocupa em gerar riquezas para os acionistas minoritárias, sem considerar o papel fundamental da Petrobras para o desenvolvimento do Brasil. O anúncio da distribuição de dividendos de R$ 48,5 bilhões, também feito nesta semana, confirma que o governo atual ignora o papel estratégico da estatal de petróleo, que já foi orgulho dos brasileiros, e não se importa em dificultar a vida de todos, com combustíveis caros e inflação alta.

“Eu fui presidente por oito anos e a gente manteve o preço da gasolina, o preço do óleo diesel, o preço do gás de cozinha no padrão da moeda brasileira. Não existe nenhuma razão técnica, não existe nenhuma razão político-econômica para que a Petrobras tenha tomado a decisão de internacionalizar o preço do combustível, a não ser para atender aos interesses dos acionistas, sobretudo os acionistas de Nova York”, disse Lula recentemente.