15 de agosto de 2018

Uma das grandes promessas do golpe de 2016 era fazer a economia crescer. Com esse pretexto, o governo golpista de Temer e do PSDB instaurou uma era de retirada de direitos e retrocessos sociais, incluindo a instauração de teto limite de investimentos públicos por 20 anos. Os dados mostram, no entanto, que a retomada da economia era uma falácia: não houve crescimento econômico – em verdade, no segundo trimestre de 2018, o PIB sofreu retração de 0,99% em relação ao primeiro. Além disso, no cenário do golpe, o desemprego não cedeu, o número de famílias endividadas aumentou e a confiança do consumidor diminui consideravelmente.

Enquanto isso, a reforma trabalhista do governo ilegítimo segue precarizando o trabalho. Os contratos de emprego intermitente já chegam a 1 em cada 4 ocupações do mercado formal.  Enquanto isso, na era Lula, a média de crescimento anual do PIB foi de 4,1%. Lula mostrou que é possível promover crescimento econômico e inclusão social – mas nem todos aprenderam a lição.

Divulgado nesta quarta-feira (15/08), pelo Banco Central, o chamado Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) registrou uma queda de 0,99% do PIB na comparação com os três primeiros meses deste ano. O IBC-Br, do Banco Central, é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB, que é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).