23 de outubro de 2018

Lula é prisioneiro político há 200 dias. Mas não se podem prender ideias. Os poderosos jamais conseguirão deter a chegada da primavera.

“Muito tempo atrás, eu sonhei que era possível governar este país, envolvendo milhões e milhões de pessoas pobres na economia, envolvendo milhões de pessoas nas universidades, criando milhões e milhões de empregos neste país.

Eu sonhei que era possível um ex-metalúrgico, sem diploma universitário, cuidar mais da Educação do que os diplomados e concursados que governaram este país para cuidar da Educação.

Eu sonhei que era possível a gente diminuir a mortalidade infantil, levando leite, feijão e arroz para que as crianças pudessem comer todo dia.

Eu sonhei que era possível pegar os estudantes da periferia e colocá-los nas melhores universidades deste país, para que a gente não tenha juízes e procuradores só da elite. Daqui a pouco, nós vamos ter juízes e procuradores nascidos na favela de Heliópolis, nascidos em Itaquera, nascidos na periferia. Nós vamos ter muito dos sem terra, do MTST, da CUT formados.

Esse crime eu cometi, eu cometi é esse crime que eles não querem que eu cometa mais. É por conta desse crime que já tem uns dez processos contra mim. E, se for por esses crimes, de colocar pobres nas universidades, negros na universidade, pobre comer carne, pobre comprar carro, pobre viajar de avião, pobre fazer a sua pequena agricultura, ser microempreendedor, pobre ter sua casa própria.

Se esse é o crime que eu cometi, eu quero dizer: eu vou continuar sendo criminoso neste país, porque eu vou fazer muito mais. Vou fazer muito mais”.

Lula, guerreiro, do povo brasileiro!