09 de outubro de 2018

O segundo turno é época de comparar propostas sobre temas importantes para o país, tais como educação. Fernando Haddad (PT) foi ministro da Educação no governo Lula e dá centralidade máxima ao tema: criou o Fundeb, o piso nacional dos magistrados, o Prouni, ampliou o número de creches, ampliou e reestruturou o Fies, ajudou a levar o orçamento da educação a 6% do PIB nacional (e propõe levar a 10%). Entre as suas muitas propostas de governo estão uma nova reforma do Ensino Médio e a ampliação da educação integral – quanto mais tempo crianças e adolescentes passam nas escolas, mais inclusão. Já o candidato do PSL…

Jair Bolsonaro defendeu educação a distância até para os alunos de Ensino Fundamental. Para Bolsonaro, o aluno poderia ir às escolas apenas para fazer provas e aulas práticas, a depender da disciplina. O candidato disse ainda que esse regime  ajuda a “baratear” o ensino. Segundo Bolsonaro, seria para combater o “marxismo” nas escolas. O filósofo e seus escritos nem sequer aparecem no currículo escolar do Ensino Fundamental.

“Conversei muito sobre ensino a distância. Me disseram que ajuda a combater o marxismo. Você pode fazer ensino a distância, você ajuda a baratear. E nesse dia talvez seja integral”, afirmou o presidenciável, ao ser questionado por jornalistas sobre propostas para a educação.