11 de setembro de 2018

A reforma trabalhista e a lei da terceirização aprovadas pelo governo golpista do Michel Temer seguem prejudicando gravemente a classe trabalhadora, especialmente os professores. Conquista histórica da categoria, o Piso Nacional do Magistério, criado em 2008, mostra como os professores foram valorizados nas gestões petistas. Com Haddad à frente do Ministério da Educação e Lula presidente, o piso do magistério estabeleceu, pela primeira vez na história, um salário mínimo nacional para professores de escolas públicas da educação básica.

Com Lula e Dilma, o piso salarial nacional aumentou 78,7% desde que foi criado, com ganho real de 35.5%. O piso salarial da categoria passou de R$ 950, em 2009, R$ 1.024,67, em 2010, e R$ 1.187,14, em 2011, para R$ 1.451, em 2012. No ano de 2013, chegou a R$ 1.567 até ser atualizado para R$ 1.697,39, em 2014.

O Programa de Governo de Haddad e Manuela propõe criar uma política nacional de valorização e qualificação docente, que dê início a uma profunda ressignificação da carreira e das estruturas de formação inicial e continuada dos professores, além de garantir o Piso Salarial Nacional e instituir diretrizes que permitam uma maior permanência dos profissionais nas unidades educacionais.