01 de agosto de 2018
SÃO PAULO, SP, 06.12.2016: EVENTO-SP - Henrique Meirelle, Geraldo Alckmin, Sérgio Moro, Aécio Neves e Michel Temer - Cerimônia de premiação ''Brasileiros do Ano'', da Revista ISTOÉ, que homenageia as personalidades que se destacaram em 2016, no Citibank Hall, na zona sul de São Paulo (SP). Serão onze homenageados nas seguintes categorias: Brasileiro do Ano, Justiça, Televisão, Esporte, Teatro, Gestão, Política, Moda, Comunicação, Música e Cultura. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)

 

O procurador Januário Paludo fez barulho na imprensa ao querer proibir Lula de dar entrevistas porque, nas palavras dele, “Luiz Inácio Lula da Silva não está acima da lei como quer fazer crer.” Lula não acredita estar acima da lei. Ao contrário, sempre a respeitou. A lei não proíbe Lula de dar entrevistas. E a lei exige que para alguém ser condenado existam provas de que esta pessoa tenha cometido crime. Lula foi condenado sem provas por “atos indeterminados”. Ou seja, nem crime, muito menos prova. Uma condenação fora do que está na lei como apontam centenas de especialistas em direito.
O ex-presidente quer que a lei valha e sua inocência seja reconhecida.
Não é Lula que acredita estar acima da lei.