14 de junho de 2022

O gabinete do ódio bolsonarista tem um modo de operar bem estruturado de ataque a quem ousa denunciar seus desmandos e produção de fake news em prol do presidente Bolsonaro. Depois do jornalista Lucas Neiva, a repórter Vanessa Lippelt, também do Congresso em Foco, se tornou alvo dessas pessoas.

Após uma reportagem, que também é assinada por Vanessa, denunciando as táticas do fórum anônimo 1500 chan para produzir fake news pagas em favor do presidente, Vanessa, como Lucas, passou a receber ameaças de estupro e morte.

“Eu vou te matar, sua vagabunda. Vou enfiar meu p** nesse b** guloso, de um jeito ou de outro. Achei quatro falhas em criptografias militares, infinitamente dez vezes mais fortes que a do Pentágono. Eu já tenho seus dados e os dados de toda sua família. Viajarei até sua casa com a arma que estou enviando a foto em anexo, tenho 200 balas, assim fazer a festa no seu cafofo e provavelmente morrer em um belo confronto com a polícia depois de estuprar você e todas as crianças presentes.”

Essa mensagem foi recebida pela jornalista e editora do Congresso em Foco na noite de domingo (5) com a foto de uma arma, que segundo o autor, seria utilizada no assassinato de Vanessa. Ela encaminhou o texto para o Departamento de Polícia Especializada da Polícia Civil do Distrito Federal.

Vanessa também é autora de uma reportagem que foi ao ar na semana passada sobre a existência de cursos paramilitares voltados para crianças de cinco a 15 anos, cujas atividades imitam ações militares utilizando armas de fogo de brinquedo.

Além de ser vítima da máquina bolsonarista de criação de notícias falsas, Vanessa sofre violência política de gênero, por ser mulher e se encontrar no grupo dos jornalistas que também atuam com política e são detestados pelo presidente Bolsonaro. Para além das ações diretas de seu filho Carluxo sobre os grupos, o comportamento do presidente, sempre belicoso com relação à imprensa, legitima e estimula ações desses grupos criminosos.

Trabalhar no combate a essas fake news é fundamental pela defesa da nossa democracia, especialmente em ano eleitoral. E esse dever não é só da imprensa, mas de todos os cidadãos. Seja você também um agente da verdade.

1 – Viu uma mentira?

Não a divulgue, nem para seus amigos mais próximos. Bolsonaro quer nos afogar nas suas falsidades. Saia dessa. Respire fundo, entre em https://lula.com.br/verdadenarede/ e busque uma vacina para as fake news que não param de pingar nos seus grupos de zap.

É só ir no campo de busca e digitar uma palavra marcante da notícia falsa.

Responda a mentira com uma verdade. O nosso site reúne o material das agências de checagem e conteúdo próprio. É preciso desmontar os argumentos falsos e as narrativas fantasiosas do bolsonarismo. Ao responder à mentira, encaminhe uma das vacinas, aproveite e já envie algumas das realizações dos governos do PT para gerar um debate produtivo e sem briga.

2 – Não encontrou uma vacina?

Denuncie a fake news com a qual você se deparou. Você pode fazer isso em nosso site, clicando no botão vermelho DENUNCIE AQUI. Produziremos novas vacinas a partir das novas cepas do bolsovírus. Além disso, nosso time jurídico irá avaliar a sua denúncia e, se for necessário entraremos em contato para maiores informações.

3 – Como seguir informado?

É só se cadastrar em um dos nossos grupos de WhatsApp. Estaremos sempre de olho. Procurando as mentiras que circulam nas redes e em grupos de WhatsApp e Telegram e trazendo a verdade.

Além disso, os grupos também serão espaço para trocar informações e técnicas para eliminar as fake news. Vacine-se contra as fake news. Embarque no nosso mutirão!