22 de junho de 2020

O QUE FAZEMOS? |#VERDADENAREDE

Verdade na Rede é uma iniciativa de combate à desinformação voltada para a denúncia, monitoramento e desconstrução de mentiras, ou fake news, que envolvem o Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula. Buscamos ainda disseminar estratégias para identificação de notícias falsas e mapear perfis que recorrentemente distribuem desinformação. Vinculada ao PT, a plataforma conta com a colaboração de todos para a identificação de fake news em circulação e, a partir daí, produzir vacinas para combatê-las através das redes sociais.

As notícias falsas não são novidade. Mas a facilidade para sua produção e disseminação, potencializada pela internet e as redes sociais tornou-as ainda mais presentes na sociedade – e com consequências devastadoras. O termo “fake news” se popularizou a partir de 2016, com a eleição de Donald Trump. Muito mais que denominar informações falsas e enganosas, o termo passou a ser usado por políticos que buscam descredibilizar o jornalismo profissional, como o próprio Trump e Jair Bolsonaro.

Trata-se de desinformações de diferentes tipos que circulam no WhatsApp, no Facebook, no Instagram, no Twitter.
É preciso entender quem cria esse tipo de conteúdo, qual sua motivação, que tipos de conteúdos são esses, por onde circulam, como eles são recebidos e por que são compartilhados.
As eleições de 2018 mostraram a dimensão desse problema. Como já ocorrera nos Estados Unidos, as notícias falsas tornaram-se arma da extrema-direita – pesquisa do Instituto para Internet de Oxford aponta que 81% das notícias fora de contexto, falsas e polarizadas analisadas foram compartilhadas por apoiadores de Bolsonaro.
Estudo do Massachusetts Institute of Technology constatou que tuítes com notícias falsas tinham chances 70% maiores de serem repassadas do que notícias verdadeiras. Só 4 das 50 imagens mais replicadas na eleição de 2018 no WhatsApp eram verdadeiras segundo análise de USP, UFMG e Agência Lupa. As bolhas e a familiaridade com os mensageiros são impulsionadores da desinformação no WhatsApp.
 Lula e o PT são as maiores vítimas de fake news no país. Por isso, este projeto propõe combater as notícias falsas que envolvem tanto o partido quanto o ex-presidente.
Este projeto busca, portanto, traçar três caminhos de atuação: (a) um caminho educativo, que procura educar a população sobre como identificar notícias falsas; (b) de combate a produtores e distribuidores recorrentes, expondo seu “modus operandi” com ações judiciais e encaminhamento para a CPMI da Fake news em casos específicos; e (c) um caminho de desconstrução/desmascaramento das fake news a partir de “vacinas”, produzidas através de peças gráficas, vídeos e textos para serem difundidos nas redes.