22 de agosto de 2013

Ségolène Royal, umas as principais lideranças do Partido Socialista francês, presenteou recentemente ao ex-presidente Lula com seu novo livro “Esta bela ideia da coragem”, que foi publicado em Paris, pela Editora Grasset.

A obra é um ensaio escrito anos depois da derrota sofrida por Ségolène para Nicolas Sarkozy nas eleições presidenciais de 2007 e do fim de seu casamento com François Hollande, que viria a se tornar presidente da República da França, em 2012, vencendo exatamente a Sarkozy.

Na apresentação, ela diz que a motivação para escrever apareceu depois de ter sido obrigada a responder exaustivamente à questão: “Como você faz para continuar, apesar de tudo?”. O livro é uma coleção de ensaios sobre personagens que influenciaram a Ségolène em sua trajetória. Entre eles, Nelson Mandela, Jean Jaurès, Joana D’Arc, Franklin Roosevelt, François Mitterrand, as Mães da Praça de Maio e os brasileiros Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Para a escritora, todos eles deram inúmeras provas de resistência e coragem em suas vidas, tornando-se fontes de inspiração que ela procura resgatar.

No capítulo que escreve sobre Lula, Ségolène recorda o encontro que tiveram em 2009, durante o Fórum Social Mundial de Belém, para contar um pouco da história de persistência de Lula, relembrando, sobretudo, as três eleições perdidas antes da vitória de 2002.

Na dedicatória que escreveu no exemplar que enviou ao ex-presidente, ela diz, aproveitando o título da obra: “Para o Lula, esta bela ideia de coragem que você encarna tão bem neste livro. Com amizade, Ségolène”.

Ela também se serviu de um pequeno texto do escritor brasileiro Paulo Coelho para abrir a obra: “Um guerreiro aceita a derrota. Ele não a considera com indiferença, nem a tenta transformar em vitória. A dor da derrota é amarga; ele sofre a indiferença e a solidão o desespera. Um dia, isso passa, ele cura suas feridas e recomeça tudo de novo. Um guerreiro sabe bem que uma guerra se faz de muitas batalhas: e ele persiste”.