10 de setembro de 2018

Para retomar o desenvolvimento do país, distribuir renda e riqueza e promover justiça social, o Brasil precisa caminhar para reformas estruturais econômicas, políticas e sociais. O governo Lula provou que a economia cresce quando mais brasileiros participam dela de forma justa. Por isso, o Partido dos Trabalhadores propõe um Sistema Tributário Justo, que prevê o aumento de consumo, fazendo a economia girar e, consequentemente, diminuindo a pobreza. Uma das medidas é a isenção do imposto de renda para quem ganha até 5 salários mínimos.

O Plano de Governo do PT propõe uma Reforma Tributária orientada pelos princípios da progressividade, simplicidade e eficiência. Quem vive do seu trabalho e recebe até 5 salários mínimos, por exemplo, ficará isento do pagamento do Imposto de Renda. Isso quer dizer que sobrará mais dinheiro no fim do mês para aquecer a economia. Em compensação, o “andar de cima”, ou os super-ricos, pagará mais. Atualmente, no Brasil, os super-ricos pagam menos tributos que os 10% mais pobres.

Cartão de crédito, financiamento de carro, carnê e cheque especial são os principais motivos de endividamento das famílias brasileiras, desde as mais pobres até as mais ricas. Essas dívidas vão se alongando e ficando cada vez mais difíceis de serem quitadas, devido às altas taxas de juros cobradas pelos bancos e pelas empresas de cobrança.

O novo governo do PT vai enfrentar o alto custo do crédito e a especulação financeira por meio da reforma bancária. Será prioridade baixar os altíssimos spreads bancários, as altas taxas de juros pagas diretamente pelo consumidor e pelo produtor para o sistema financeiro, e permitir que esses recursos sejam canalizados para reativar a economia pelo consumo e pelos investimentos produtivos. Trocando em miúdos: bancos que cobrarem mais juros, pagarão mais impostos.