16 de novembro de 2021

A situação econômica do Brasil está tão difícil que até a The Economist reconhece que a política econômica de Bolsonaro é ruim para o país. Em edição da última semana, a revista britânica traz artigo intitulado “Following the money” (seguindo o dinheiro), no qual decreta: “Bolsonaro é ruim para a economia brasileira”.

A revista, que já comparou Bolsonaro a Pinochet, aponta a inflação crescente, a alta taxa de juros e o baixo crescimento econômico como doenças que têm acometido o Brasil. The Economist argumenta que o presidente se aliou a Paulo Guedes, um economista do “livre mercado”, para angariar o apoio do Mercado.

Porém, as promessas de reforma se perderam, substituídas pela corrida de Bolsonaro por dinheiro para comprar apoio político e popularidade. A revista, que defende o famigerado teto de gastos, chama atenção para o fato de que os malabarismos orçamentários de Bolsonaro criaram incertezas sobre o futuro do principal programa do país, o Bolsa Família, extinto pelo atual governo e substituído pelo Auxílio Brasil, que “adiciona incertezas e complexidades ao programa”, segundo a publicação.

The Economist afirma que Bolsonaro se aliou ao Centrão para “afastar a possibilidade de impeachment devido à sua má gestão da pandemia e aos maus feitos de sua família (negados por eles)”, e cita o orçamento secreto como um dos custos que motivam o furo no teto de gastos.

Bolsonaro é um desastre completo, inclusive para os baluartes do neoliberalismo que ajudaram a elegê-lo.