31 de outubro de 2011

A equipe que fará o tratamento do câncer ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prevê que as sessões de quimioterapia e radioterapia devem terminar em fevereiro de 2012. Após ser diagnosticado com câncer na laringe no último sábado (28), o ex-presidente começou nesta segunda-feira (31) a primeira sessão de quimioterapia no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e deve deixar o local nesta terça (1º), após exames e aplicações de medicamentos.

De acordo com a equipe médica, chefiada por Roberto Kalil Filho, Lula será submetido a três sessões de quimioterapia, cada uma dela com um ciclo de 21 dias. Após a aplicação desses medicamentos, que deve terminar no final de 2011, Lula deverá começar a radioterapia, com previsão de término para fevereiro de 2012.

Ouça a íntegra da entrevista coletiva concedida pela equipe médica (MP3).

Segundo Kalil Filho, daqui a cerca de 40 dias, entre o segundo e o terceiro ciclo de quimioterapia, será feita uma avaliação para saber se os medicamentos estão surtindo efeito e se o tratamento continuará como o previsto.

“Nossa expectativa é de que o tratamento tenha sucesso. As chances de cura são muito boas”, prevê o médico Paulo Hoff, que faz parte da equipe.

[mudslide:picasa,0,116451107798979983687,5669707124632996945,570,center]

 

O médico Luiz Paulo Kowalski informou que uma possível cirurgia foi descartada porque o tumor, que tem entre 2 e 3 centímetros, está muito próximo às cordas vocais, e uma operação poderia comprometer a sua voz. “O tumor é de tamanho intermediário e não se fixou nas cordas vocais. Foi descoberto a tempo, e isso permite que Lula receba um tratamento mais conservador”, afirmou. “Há pelo menos 15 anos, em situações como a dele, se indica a quimio e a radioterapia”, disse Kowalski.

Paulo Hoff acrescentou que a escolha do tratamento com quimioterapia e radioterapia, descartando a cirurgia, foi uma decisão médica. Ele afirmou que mesmo o tratamento mais brando pode causar pequena alteração de voz, mas a previsão é de que não haja nenhum impacto na fala de Lula.

A equipe médica informou que Lula poderá levar uma vida muito próxima ao normal, mas deverá se manter próximo à sua casa ao hospital, evitando viagens longas. Além disso, terá que poupar a voz, pois haverá dificuldade para falar. Os médicos também preveem que Lula sofrerá os efeitos colaterais comuns à quimioterapia, como a queda de cabelos.

Segundo Kalil Filho, a situação geral de saúde do ex-presidente é boa, e isso irá ajudar no tratamento. “Lula é uma pessoa saudável, que faz avaliações rotineiras. Não tem nenhum outro problema de a saúde”, disse.