17 de setembro de 2021
Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou o seu compromisso com o combate às desigualdades e sua indignação com o retorno da fome ao cotidiano das brasileiros e brasileiros, lembrando a importante contribuição de estados como Goiás na produção de alimentos. “Como é que se explica, num estado como Goiás, que é um grande produtor rural, ter gente passando fome? Como é que se explica o Brasil ser o terceiro produtor de alimento do mundo, o primeiro produtor de proteína animal, e ter gente passando fome? Gente que não consegue mais comprar carne?”, questionou Lula, em entrevista à Rádio Sagres, de Goiânia, na manhã desta sexta-feira (17).

Lula lembrou que tanto o agronegócio quanto a agricultura familiar são importantes para o país, mas que ele sempre trabalhará para fazer justiça social. “Pergunte ao agronegócio se faltou dinheiro pra eles no meu governo, se faltou política internacional para eles exportarem. Não faltou. O problema é que eles queriam comprar arma pra enfrentar os sem terra e nós queríamos fazer reforma agrária”, afirmou o ex-presidente, destacando que esta divergência seguirá existindo.

“Sempre mantive uma boa relação com os políticos de Goiás e não vejo nenhum problema de conversar com eles, com os produtores rurais, com os grandes, com os pequenos”, disse Lula. “O que nós precisamos é fazer a política correta para que eles possam cada um produzir, ganhar seu dinheiro e levar comida para o povo brasileiro a preço justo.”

‘Menos armas e mais livros’

Ao longo da entrevista, o ex-presidente destacou a necessidade de colocar “os mais pobres no orçamento” e a importância de investir em programas que garantam acesso a direitos e serviços públicos como luz, água, saúde e educação. “Nos governos do PT, o Brasil terá mais livros e menos armas, menos violência e mais educação”, disse Lula, que também lembrou os investimentos feitos nas gestões petistas na ampliação da Universidade Federal de Goiás e a multiplicação dos campi dos dois Institutos Técnicos Federais no estado.