04 de maio de 2022
Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que o movimento que se reúne em torno da futura candidatura dele a presidente da República fará com que a aliança que disputará a eleição seja mais forte do que quando ele concorreu e venceu nos pleitos de 2002 e 2006. Ele afirmou que todas as siglas que se unirem ao PT ajudarão a construir o programa, que será a base de concordância do grupo.

“A aliança com o PSB e outras que estamos fazendo com Solidariedade, com PCdoB, Rede, PSol vai permitir que a gente esteja muito mais forte do que em 2002, quando eu disputei com o Serra e do que em 2006, quando eu disputei com o Alckmin. (…) Vamos construir um programa conjunto entre os partidos que compõem a aliança e esse programa será a base de concordância entre todos os partidos políticos”, declarou em entrevista ao vivo à CBN Campinas na manhã de hoje (4).

Respondendo a questionamento sobre as divergências com o ex-governador de São Paulo, em disputas anteriores, Lula afirmou que o fato de Geraldo Alckmin ter se filiado ao PSB e se juntado como vice à chapa dele é uma demonstração inequívoca de que as diferenças fazem parte do passado e que o que importa agora é a união para recuperar o Brasil.

“É um gesto extraordinário de quem fala assim: vamos deixar para lá o passado, vamos tocar o barco para frente porque o Brasil precisa ser recuperado, o Brasil precisa de emprego, o Brasil precisa de salário, o Brasil precisa de saúde, o Brasil precisa de alguém que governe esse país falando um pouco de amor, falando um pouco de solidariedade, de fraternidade, e não de alguém falando de ódio”, afirmou.

O ex-presidente disse que, quando o processo eleitoral for iniciado, fará uma campanha de alto nível, conversando com todos os setores da sociedade, embora o cenário sinalize uma das campanhas menos civilizadas, por causa do perfil do presidente da República que também será candidato e que gosta de estimular ódio, briga e provocação.

“Estou convencido de que vamos fazer campanha num nível muito alto, vamos querer conversar sobre a situação do povo brasileiro e as soluções para os problemas do povo brasileiro”, declarou.