Foto: Ricardo Stuckert

A senadora e presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann anunciou nesta segunda-feira (9) reforço no calendário de mobilizações pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo direito de Lula disputar as eleições em outubro. Um dia após o país ter assistido a quebra institucional conduzida pelo juiz Sérgio Moro para evitar que Lula deixasse a prisão política em Curitiba, o PT se reuniu com movimentos sociais em São Paulo para denunciar as ilegalidades contra o ex-presidente.

"Ontem assistimos o rompimento da ordem democrática, um ataque ao devido processo legal, ao estado democrático de direito. Isso vai levar o país a uma maior instabilidade", afirmou Gleisi. "Consideramos extremamente grave o que aconteceu e queremos reiterar que vamos registrar o presidente Lula como candidato no dia 15 de agosto".

A senadora informou que um grupo de parlamentares e de representantes de movimentos sociais deve representar contra o juiz de primeira instância Sérgio Moro no CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Além de Moro, os desembargadores Gebran Neto e Thompson Flores também serão denunciados ao conselho pela condução das manobras que impediram que Lula fosse libertado neste domingo (8), mesmo após obter um habeas corpus. Segundo Gleisi, a Corregedoria da Polícia Federal também deve ser acionada pelo não cumprimento da ordem judicial pelos policiais de plantão.

Agenda de mobilizações

A presidenta do PT anunciou que o partido deve reforçar a divulgação de um abaixo assinado contra a prisão do ex-presidente e a intensificação dos atos por Lula Livre. "Vamos reforçar as mobilizações e também a divulgação da carta de Lula em que ele denuncia essas manobras para impedir sua liberdade e candidatura", ressaltou.
 

Voltar para o topo