25 de outubro de 2018

Bolsonaro e seus aliados deram mais uma prova de que realmente não têm o menor respeito pela Justiça e pela família brasileira.

Militantes do candidato ao governo do Rio Grande do Norte pela coligação 100% Carlos Eduardo Alves (PDT) foram flagrados distribuindo ilegalmente material de campanha com mentiras depois de ele ter sido proibido por decisão da Justiça Eleitoral.

O folheto, de extremo mau gosto, tenta manipular os eleitores e eleitoras do estado com propostas mentirosas que seriam supostamente defendidas pela candidata Fátima Bezerra, candidata do PT ao governo do estado, e por Fernando Haddad. Não caia nessa!

Sem nenhum pudor, os candidatos usam fake news que já foram amplamente desmentidas pela Justiça e por veículos de imprensa, tentando confundir e manipular as eleições. Não há limites para quem não tem propostas e está disposto a enganar a todos e todos para chegar ao poder.

Todo mundo já sabe que o kit gay não existiu! Bolsonaro foi até proibido de continuar com esse absurdo, mas não respeita o Judiciário e colocou a informação no panfleto. Também não é verdade que estão nas propostas de Haddad e Fátima “liberar as drogas”, “legalizar o aborto” ou “libertar bandido da cadeira”.

É de extrema irresponsabilidade usar temas que falam de forma tão cara às justas preocupações do povo do Rio Grande do Norte para manipular sua opinião nestas eleições. Pior: isso é crime!

Diante de tão grave crime, foi apresentada uma representação na quarta-feira (24) contra esse material e a decisão foi publicada nesta quinta, determinando “a todos os representados a proibição de efetuar distribuição dos panfletos ora questionados, acaso existentes e em sua posse, a impossibilidade de efetuar nova produção, bem como a impossibilidade de publicá-lo em qualquer meio, seja na TV ou na internet, tudo sob pena de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), montante necessário para que se evite a sua distribuição às vésperas da eleição do segundo turno de 2018″.

Diz a decisão: “É de se reconhecer flagrante tentativa de chocar o eleitorado potiguar, induzindo-o a não votar na candidata ora representante”.

Mas Carlos Eduardo e Bolsonaro zombam da decisão da Justiça e continuaram distribuindo os panfletos, que trazem o CNPJ de nº 02.542.282/0001-84 e tiveram tiragem de meio milhão de exemplares financiada pela Comissão Provisória do Partido Social Liberal do Rio Grande do Norte.

Confira a denúncia nos vídeos abaixo:

Aqui é possível ver nitidamente a imagem dos panfletos na mão do militante.

Neste, a moça distribui adesivos de Bolsonaro e leva na mão o panfleto com a propaganda irregular.

Na caçamba do carro, note a pilha de panfletos proibidos.

É inadmissível que uma eleição séria seja disputada com base em mentiras e desrespeitando a Justiça, a democracia, as instituições e os eleitores! Não é manipulando as pessoas e tentando criar falsos medos que se constrói uma nação! 

Leia a íntegra da decisão do Tribunal Regional Eleitoral.