21 de setembro de 2018

Em Ouro Preto (Minas Gerais), o candidato a presidente pela coligação “O povo feliz de novo”, Fernando Haddad, falou sobre o simbolismo da visita à terra de Tiradentes, em analogia à injustiça que o ex-presidente Lula vem sofrendo. “Lula só pede um julgamento justo, nada além do direito de um cidadão comum. Continuaremos lutando por liberdade”.

Haddad lembrou que “aqui é a terra da liberdade. A nossa visita tem simbolismos: prestar uma homenagem à liberdade, compreender que o país está em um momento delicado e temos que cultivar a liberdade”, disse Haddad.

Ele também enfatizou que é preciso “defender a tolerância, a liberdade de expressão, religiosa e de organização, e defender as pessoas, apesar da diferença, porque a diversidade é uma riqueza do nosso país”.

Lembrando o que aconteceu com o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, o candidato do PT reafirmou que o patrimônio histórico é inestimável e que, em seu governo, serão implantadas políticas públicas voltadas para a sua preservação. Isso será possível através da incorporação de uma parcela do orçamento da cultura, que será feita a partir de alterações na legislação de fomento à cultura.

O candidato do PT falou ainda sobre suas propostas para a retomada da economia do país com a geração de emprego e renda, que será fundamentada em três pilares: reforma tributária, reforma bancária e a retomada de obras paradas.

Por fim, Haddad lembrou que tem um plano de governo que dialoga com o anseio de retomar o Brasil que deu certo. “As pessoas estão muito inseguras com o futuro do Brasil e o nosso papel é transmitir uma mensagem de certeza e de segurança: nós vamos melhorar o futuro do país, como nós já fizemos antes”, completou.

Fernando Haddad visitou a cidade mineira nesta sexta-feira (21/9), ao lado de sua vice, Manuela D’Ávila, do governador Fernando Pimentel, candidato à reeleição, e da candidata do Senado, a ex-presidenta Dilma Rousseff. Após a breve conversa com jornalistas, Haddad participou de ato na cidade.

Ouça entrevista de Fernando Haddad a jornalistas em Minas Gerais.