27 de julho de 2018

Camila nasceu no final da década de 70 assistindo pela televisão os festivais que ajudaram a denunciar a ditadura e viraram símbolo da luta democrática brasileira. Ainda criança, Camila presenciou uma década onde os direitos foram limados, a censura imperou e as instituições estavam contaminadas pelo interesses imperialistas e ditatoriais.

Camila agora tem 40 anos, uma filha, tornou-se jornalista e, assim como nos idos de 70, vive em um estado de exceção, de retirada de direitos. Desde o golpe até a prisão política do ex-presidente Lula, Camila está nas ruas denunciando os interesses de uma classe golpista que não quer ver o Brasil sob um governo progressista novamente. E através do Festival Lula Livre que Camila pretende reforçar a trincheira da resistência que há 111 dias denuncia a prisão política do ex-presidente.

“Hoje, aos 40 anos, terei oportunidade de participar de um momento histórico para o país, o Festival Lula Livre no Rio de Janeiro. Apesar do momento sombrio que vivemos, com o desrespeito constante ao Estado de Direito, estou feliz com a oportunidade de deixar claro que tenho lado. O lado daqueles que lutam pela retomada da democracia e pelo direito de Lula ser candidato”, afirmou Camila Victor que vai sair de São Paulo na madrugada de sexta-feira com mais quatro amigas para ir ao festival no Rio de Janeiro.

Dani Louzada, amiga de Camila, ativista e publicitária, também estará na mini caravana que deixará a capital paulista. “Em tempos sombrios, não há trégua na luta pela Liberdade de Lula e pela Democracia do nosso país. Festival Lula Livre é um marco pela luta por justiça e pelo direito do nosso povo em escolher seu presidente”.

Cláudia Motta também vai sair de São Paulo para ir ao Festival Lula Livre. Ela e Paulo, seu companheiro de vida e de luta, deixarão a capital na madrugada e vão chegar a tempo de encontrar um grupo de amigos e irem para os Arcos da Lapa no sábado (28).

“Vou deixar São Paulo a meia-noite de ônibus com meu companheiro Paulo e tenho certeza que vou encontrar milhares de pessoas que, assim como eu, querem que Lula seja livre e desejam um país melhor para todo mundo. Estamos indo com muita alegria e fé para esse festival que será de paz, amor e muita música boa. Vai ser um fim de semana muito especial neste país tão judiado pelo golpe”.

Lá do interior de Minas Gerais, Dimitrius Chaves está animado para juntar alguns amigos e partir para o Rio de Janeiro. Residente de Juiz de Fora, ele ainda está decidindo se vai sair de Belo Horizonte ou de sua cidade, já que muitos amigos querem ir e eles devem organizar um grupo de carros. Lulista de carteirinha, Dimitrius conta que em 2017 tirou uma foto com Lula no dia de seu aniversário.

“Foi um dos dias mais especiais. Desde abril seguimos denunciando esse absurdo que foi a prisão sem provas em um processo fraudado. Estou muito animado para ir com meus amigos e amigas para o Festival Lula Livre, que será um grande momento político e cultural do país com grandes artistas reunidos pela democracia e pela libertação do presidente. Eu, como bom mineiro, admirador de boa música estarei presente gritando pela liberdade de Lula”, disse Dimitrius.

Também mineira, Letícia Villas vai sair de Belo Horizonte com o namorado e encontrar os amigos na Cinelândia. “Vai ser uma oportunidade de reencontrar amigos, ouvir grandes artistas, alguns ídolos de uma vida toda. Vai ser um ato de amor, resistência, luta e muita música boa! Estamos muito animados”.

Festival Lula Livre

No sábado (28/7) será realizado nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, o Festival Lula Livre que vai reunir artistas e intelectuais latino-americanos em uma grande ato cultural e político em defesa da democracia e contra a prisão política do ex-presidente.

O evento, convocado a partir de um manifesto encabeçado por Chico Buarque, Martinho da Vila, Ziraldo, Leonardo Boff e mais de 800 signatários, contará com oficinas, DJs, apresentações teatrais e um grande ato-show com a presença de artistas de renome da música brasileira e convidados internacionais.

O manifesto, chancelado pelos artistas, afirma que “todo o julgamento do presidente Lula foi um erro jurídico sem limites”. Para os signatários é inadmissível que Lula, líder em todas as pesquisas, não participe das eleições. “Inadmissível é mantê-lo preso num flagrante desrespeito às regras mais elementares da Justiça”.

A expectativa da comissão organizadora, formada por artistas, ativistas da cultura e representantes das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, é que o Festival Lula Livre se transforme em um marco da luta por democracia e justiça para o Brasil e para Lula, amplificando a denúncia do caráter político e ilegal de sua prisão e reafirmando seu direito de disputar as eleições de outubro. Clique aqui e confira a lista de artistas confirmados.

Fonte:  Agência PT de Notícias