03 de agosto de 2021

Jair Bolsonaro se esforça para acabar com o prestígio internacional do Brasil. Além de promover uma política externa desastrosa e de subserviência, Bolsonaro também recebe líderes mundiais sem cumprir os protocolos de segurança contra a Covid-19. O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve no Brasil no último final de semana para a reinauguração do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo – evento boicotado por Bolsonaro, diga-se de passagem. O presidente brasileiro recebeu o chefe de estado português apenas na segunda-feira (2), sem usar máscara, seguindo o protocolo negacionista responsável pela morte de meio milhão de brasileiros.

Bolsonaro e toda a sua comitiva (quatro ministros e o vice-presidente Mourão) estavam sem máscara, ao contrário da comitiva portuguesa, que seguia as normas internacionais de segurança. Não é a primeira vez que Bolsonaro e sua comitiva fazem o Brasil passar vergonha internacionalmente por não usarem máscara em plena pandemia. Em Israel, o então chanceler de Bolsonaro foi repreendido por não usar o equipamento, e no Equador o próprio Bolsonaro admitiu que dava mau exemplo ao não usar máscara.

Bolsonaro, mais uma vez, não seguiu o exemplo de Lula. No dia de sua chegada ao país, o presidente português se encontrou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no consulado de Portugal em São Paulo. Ambos de máscara, conversaram sobre as relações entre Brasil e Portugal, a União Europeia e a política internacional.

Bolsonaro não se cansa de promover ativamente a disseminação do vírus e a imagem do Brasil como motivo de vergonha mundial. Convoca e participa de aglomerações (como a motociata que julgou ser mais importante do que a reinauguração do Museu da Língua Portuguesa), sempre sem máscara; arranca máscara de crianças em seu colo e não usa máscaras nem em encontros com presidentes de outros países. Isso sem contar as medidas negacionistas criminosas contra a vacinação e a favor da cloroquina e do ineficaz “tratamento precoce”.

Como diz Lula, precisamos recuperar o prestígio internacional do Brasil. Confira o tuíte do ex-presidente: